31/08/2009

A língua japonesa que os japoneses não sabem...


Quem me conhece, sabe que escolhi estudar a língua japonesa por gostar de idiomas e, no início, por mera curiosidade. Não foi pelos motivos que a maiora das pessoas pensam. Não foi porque eu gostava de animação japonesa. Não foi porque eu tinha uma namorada japonesa. Não foi por causa dos mangás. Não foi porque eu gostava de robótica. E muito menos, por causa da minha família....até pq acho que minha avó teria ficado mais feliz se eu tivesse aprendido italiano mesmo. Mas enfim, eu sempre gostei de idiomas e quando vi um livro escrito em japonês, foi quando me acendeu uma luz e decidir aprender, para ver qual era a do idioma. E gosto muito de estudar japonês até hoje.




Apesar disso, nunca me considerei um maníaco. Maníaco? Sim! Quando se fala maníaco em japonês é aquele cara que só estuda as curiosidades do idioma e coisas que no dia-a-dia, nem os próprios nativos sabem e nem fazem questão de saber e continuam vivendo normalmente sem saber. Um exemplo clássico é aquele cara que faz questão de estudar ideogramas com muitos traços e que ninguém escreve normalmente. O cara se gaba por saber escrever em ideograma “chuucho” (hesitação) ou de “bara” (rosa) ou ainda “yuuutsu” (depressão).




Se for mais maníaco ainda, ele estudou e sabe escrever ideogramas que até existem, mas normalmente não são usados no dia-a dia, como os de “wasabi” (raiz forte) ou “noren” (cortina comum na entrada de restaurantes).


Saber não é o problema. Acho até interessante. Aliás eu me amarro nos programas de quiz em que questões como estas são de praxe. Mas o maníaco que se preza, ele não se contenta em simplesmente saber ler quando precisar ler – que é o que a maioria faz! Ele desafia os outros (inclusive nativos) e ainda se gaba por ele saber escrever. Esse é o verdadeiro maníaco! Outro tipo bem comum é aquele que faz perguntas cujas respostas sabe-se lá onde e quando ele vai precisar usar. Lembro que quando eu estava ensinando a contagem em japonês – para quem não sabe, a maneira de contar depende do objeto que se está contando – e um aluno levanta a mão e pergunta: Como que conta “parlamento” ? Sem comentários...


Mas hoje li sobre um livro que conta um pouco desse tipo de estudante de japonês. Pelo que me pareceu, o livro não chega a satirizar, mas mostra os diversas perguntas que um estrangeiro faz a um japonês e que muitas vezes, nem mesmo o nativo sabe a resposta. Ao mesmo tempo o livro serve como uma “redescoberta” do próprio idioma japonês por parte dos japoneses. O livro se chama 日本人の知らない日本語, algo como A Língua Japonesa Desconhecida Pelos Próprios Japoneses. Eu li sobre o livro e agora estou louco para comprá-lo. A editora é a mesma do famosíssimo best seller ダーリングは外国人・Darling wa Gaikokujin (Meu Amor é Estrangeiro, na tradução livre). O livro é em quadrinhos e me parece ser bem cômico. Pelos títulos dos capítulos parece ser bem interessante também. "Perguntas simples, mas super difíceis, feitas por estrangeiros", "Isto não se usa em japonês", "Ah! Então era Assim!", "Linguagem Polida, mas Errada" são alguns exemplos.


No site do amazon.co.jp, onde o livro já está disponível, é possível ler algumas páginas. Muito engraçadas (Japanese Only). A história em quadrinho que ilustra a contra-capa mostra bem o espírito do livro e revela que nem sempre o fato de ser nativo significa ser profundo conhecedor e excelente professor da seu próprio idioma!



Tradução :

Na Aula de Japonês

1. Ué? Estranho Kim...suas notas sempre foram excelentes.

2. Você teve muitos erros. Aconteceu alguma coisa?

3. %$#¨$%$ ...

4. - Foi um amigo japonês que fez tudo para mim!

- Traga esse sujeito aqui!









19 comentários:

  1. Hahaha, muito bom!
    Mas também podem fazer um livro assim, em português.
    Quando converso com algum amigo japonês que está estudando português, às vezes eles usam cada palavra que eu vou até o dicionário ver se dava pra usar na tal frase. Ou então, eles perguntam coisas tão gramaticais que eu fico olhando com cara de "q??".

    ResponderExcluir
  2. Muito legal!

    Me identifiquei bastante com este artigo, principalmente o fato de querer saber coisas estranhas sobre a língua japonesa. :D

    Vou ver se consigo comprar e ler o livro. Parece muito interessante.

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Tá sabendo do Blog Day?
    http://www.blogday.org/

    Eu escolhi você como um dos 5 blogs. :)

    herosgame.wordpress.com

    Cya! :)

    ResponderExcluir
  4. post muito interessante!!
    conheço varios estudantes "maniacos" assim... sabem palavras [e seus respectivos kanjis] super dificeis, mas se esquecem das palavras basicas do dia-a-dia... no portugues tambem temos palavras inusitadas... basta abrirmos uma pagina qualquer no dicionario q vamos encontar diversas palavras q não fazemos ideia do q querem dizer, mesmo sendo falantes nativos da lingua de camões!
    Pra mim basta aprender o essencial pro dia-a-dia... meu objetivo é conseguir entender as noticias em japones (e eu sei q isso nao vai ser facil) hehehe

    ResponderExcluir
  5. Olá Caruso
    É verdade a lingua japonesa é bem rica nesse aspecto, tem ideogramas pouco usado, alguns esquecidos e abandonados, mas é bem gostoso poder conhecer isso, e vc q nos brinda trazendo essas informações.
    Esse livro deve ser bem divertido mesmo.
    abraços

    ResponderExcluir
  6. Ai... se meu Nihongo estivesse mais avançado com certeza eu iria comprar esse livro p/ brincar um pouco! :(

    Em 1 ano devo estar em nível suficiente pra fazer isso! Vou anotar desde já.

    Domo arigatou Caruso!

    Jaa mata ne!

    ResponderExcluir
  7. Lá vem os velhos e danados kanjis, mas acho que esse fenômeno ,se é que pode ser assim chamado, ocorre em qualquer idioma( dentro de suas particularidades) por causa do pouco uso e /ou mudanças ao longo do tempo .Acho que o problema com os kanjis é que eles são uma mistura de quebra cabeça com adivinhação e devaneio ( com todo respeito),mas essa é só minha humilde opinião , pois pode-se dizer que não sei nada ,absolutamente nada de kanjis ( mas adoro enigmas).
    Achei engraçado que uma palavra tão singela como rosa precise de tantos traços para ser representada. Faz-me lembrar aquelas piadas em que mostra um japonês falando mil coisas e quando traduzido é só um trequinho de nada.
    Bom, eu acho que os kanjis poderiam simplesmente ser esquecido de vez, mas quem sou eu para dar pitaco no idioma dos outros.

    ResponderExcluir
  8. Bá! Esse é um livro q deve valer a pena ter!
    Estou recém começando nesse mundo dos kanjis, mas adoro ficar desenhando esse monte de tracinhos e arvorezinhas... hehehehe
    Imagino como é ser um Japonês maníaco pela língua no país dos otakus!
    Não que no Brasil não exista o pessoal com mania de reviver termos que ninguém mais usa só para dar o efeito de "olha como eu sei!", mas...
    Agora, não concordo com a Raquel, q disse: "acho que os kanjis poderiam simplesmente ser esquecido de vez". Poxa, Raquel! Mas são justamente os kanjis que dão uma "cor" toda especial ao idioma! Até porque foneticamente o Nihongo não é lá muito variado, e eles já escrevem tudo junto... Se fossem só os kanas seria bem mais difícil de compreender os textos.

    Ótima postagem, Caruso-san!
    Jaa!

    ResponderExcluir
  9. Eu estou me enrolando bastante com kanjis! Comecei a aprender faz pouco tempo e fico bastante enrolado procurando as palavras XD~ São tantos para a mesma palavra que eu não sei qual é o comum, ou se não é comum!

    No caso de palavras como "Rosa" as pessoas costumam usar apenas os kana então ?


    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. PARA ANA,
    Tem razão. Fazer pergunta muito gramatical para nativos, normalmente, resulta em conversa de maluco, não é? Eu conheço muitos japoneses que estudam ou estudaram português e muitas vezes eles vêm como umas questões que nós nunca paramos para pensar. Bom, eu tbm faço a minha parte e deixo alguns de cabelo em pé e com um ponto de interrogação na em cima da cabeça! rs. Obrigado pelo comentário!

    ResponderExcluir
  11. PARA EDUARDO MONTEIRO,
    Que bom que gostou. Mas olha, espero que tenha entendido meu ponto de vista. Saber e querer saber não é problema algum. Na minha opinião, o grande defeito desses maníacos é exigir que um ideograma seja usado, mesmo quando não há necessidade, ou pior ainda, exigir que um japonês nativo tenha a obirgação de saber escrever. Mas que bom que gostou do livro! Espero que consiga comprar!...e me emprestar depois. Brincadeira, um colega do trabalho ficou de me emprestar, assim que nossa outra colega devolver o livro para ele!! 日本語の勉強、頑張ってね!

    ResponderExcluir
  12. PARA RASUI,

    Eu perdi a data, mas agradeço por ter indicado o Muito Japão 2!

    ResponderExcluir
  13. PARA YGOR,
    Você tem toda razão. Pior que tem gente assim mesmo, que sabe ideogramas difíceis, mas não sabem palavras básicas. De que adianta?, eu penso. Essa do dicionário é boa mesmo. Apesar de que maníaco que se preze, exige que mesmo um japonês saiba ler e escrever todas as palavras que forem em japonês!! Quanto a você aprender a ler notícias, acho que se você já tem vontade de aprender, já é um grande passo. Outras coisa, notícias é um conceito muito vago. Tem notícias fáceis e notícias que nem em nossa própria língua a gente não entende. Comece pelas mais fáceis e de assuntos de seu interesse, que você vai aos poucos adquirindo confiança em você. Essas sobre assassinatos, suicídios e outros crimes, costumam ter a mesma estrutura e usar as mesmas palavras. Preste bem a atenção! ...e boa sorte!

    ResponderExcluir
  14. PARA TALIESIN,
    Obrigado, eu que agradeço a gentileza. Eu não me considero um maníacos e sei até onde devo ir e até que ponto um nativo de japonês tem "obrigação" de saber determinado ideograma, mas apesar disso, confesso que adoro estudar e ler e escrever esses ideogramas. Sem contar a história, a filosofia que há por trás desses símbolos, desenhos, rabiscos, pauzinhos ou seja lá como eles são chamados. Obrigado pelo comentário!

    ResponderExcluir
  15. PARA MARCELL,
    Como eu sempre digo, se você já tem vontade de aprender e não está estudando somente para colocar no currículo ou só porque sua família quer, você já tem vários pontos a seu favor! Manda ver! Boa Sorte!

    ResponderExcluir
  16. PARA RAQUEL,
    Me amarrei no seu "uma mistura de quebra cabeça com adivinhação e devaneio". Muito bom. mas apesar disso, sem eles a língua japonesa perderia parte de sua graça. Mas vc não é a única a dar essa sugestão. Já tive muitos alunos que me questionavam isso. Mas eu prefiro me unir à maioria dos japoneses que prefere não acabr com os ideogramas. Quanto mais você estudo e qto mais você entende a filosofia e o esquema dos ideogramas, mais interessada você ficará! Até a próxima e valeu pelo comentário!

    ResponderExcluir
  17. PARA LUÍSA,
    Ótimo! Temos mais um ocidental a favor dos ideogramas! Você tem razão, eles dão uma cor especial à língua japonesa. Obrigado pelo cometário e fico feliz que tenha gostado. Até a próxima!

    ResponderExcluir
  18. PARA MARFAGARFOS,
    Não desanime! Mais tarde você perceberá o quanto escrever e ler kanji é muito mais gostoso e muito mais prático. Não quero parecer metido, mas você ver perceber isso um dia! Sobre a palavra "rosa", assim como as outras palavras com ideogramas mais difíceis que eu mostrei no blog, na maioria das vezes é escrito mesmo com kana simplesmente. Mas ler, todo japonês sabe ler. O que não significa que não sejam usados os ideogramas. Não tenho dados oficiais, mas tenho a ligeira impressão que "bara" aparece mais em katakana! Bom, boa sorte ae!

    ResponderExcluir
  19. XD Na facul vemos MUITO disso!!! hehe

    ResponderExcluir