14/03/2011

COMEÇANDO A SEMANA ACABADO

Juro que achei que acordaria hoje, na segunda-feira, menos preocupado. Sim, porque ainda não estou desesperado, mas não posso dizer que estou levando uma vida normal. Para começar, tentei ir trabalhar. Ao ligar a TV enquanto tomava meu café - sim pq eu dormir com a roupa que iria trabalhar hoje -, os canais divulgavam as linhas de trens que estavam paradas e as que estavam funcionando, porém com menos trens.  Vi que a minha estava funcionando e, de teimoso, lá fui eu.

Percebi algo estranho quando tomei o ônibus. Muito mais gente que o normal para o horário e do lado de fora, um fluxo enorme de pessoas de bicicletas, o que que igualmente neste horário, eu nunca havia visto. Sem falar no trânsito engarrafado. Nesse momento já tinha desistido de chegar na hora, mas ainda motivado a seguir caminho rumo à empresa.

Finalmente o ônibus chegou à estação e, mais uma pista do caos: uma fila quilométrica de pessoas no ponto de táxi, o que só se vê quando está chovendo muito, nevando ou não há trens. Era a terceira opção! Pela estação as pessoas falavam no celular e eu só ouvia uma frase: 電車が無い・DENSHA GA NAI・NÃO TEM TREM!

Mas olhei a roleta e vi algumas pessoas entrando como se nada tivesse acontecendo. Foi quando escutei anunciarem que havia trem somente para um destino e mesmo assim estava partindo com intervalos de 10 minutos, uma eternidade para aquela hora da manhã.

Lá fui eu ficar na fila para entrar. Entrei. Crente que seria o último que ficaria na porta. Engano meu. Com o trem parado na plataforma, foi entrando gente, entrando gente e entrando, entrando... quando me dei conta, a correnteza humana havia me levado para o meio do trem! Praticamente à vácuo, as portas se fecharam e o trem partiu. Como tudo na vida tem suas vantagens, naquela hora a grande vantagem era não precisar segurar e nem manter o equilíbrio porque não tinha nem como virar o rosto sem beijar o cara do lado! Ainda bem que a mulher da minha frente lavou o cabelo com um shampoo delicioso!

Assim fui até metade do caminho, quando a massa desceu em massa! Deu até para sentar! Mas era tarde para comemorar. O trem chegou logo no ponto final e que para a minha infelicidade, mas não surpresa, não era a estação do meu trabalho. Decidi completar a jornada, caminhando.

Andei pouco. Uns 20 minutos talvez. Quando cheguei no prédio da empresa, vi que estava tudo apagado e pensei até que não havia ninguém. Mas a porta estava aberta e lá fui eu, animadíssimo para trabalhar! Até que meus colegas de trabalho que foram no sábado fizeram um belo trabalho e estava tudo arrumado. A única pista da situação atual era a número bem reduzido de funcionários, pois nem todos nem conseguiram tomar trem e as luzes apagadas. Estávamos somente com as janelas todas abertas e contando com o luz natural.

TERREMOTO!! DE NOVO?!

Sim. Estava tudo muito bom. Tudo muito bem. Quando, enquanto eu estava ao telefone falando com um cliente, o prédio começa a tremer. Mas, estando no sétimo andar, tremia muito mais forte do que os tremores nossos de cada dia. Nem pensei duas vezes. Pedi licença ao cliente ao telefone e desliguei sem resolver o que ele queria e já estava com a mochila nas costas e de pé quando tudo parou. Que susto! Achei que iria passar o que passamos naquela sexta-feira 11 com cara de 13!

Ficou difícil trabalhar tranquilo. Não só eu mas todos. Depois de uma rápida reunião de emergência, decidiu-se por sermos liberados mais cedo. Ufa... eu queria era sair dali já quando desliguei o telefone. Ainda liguei de novo para o cliente para me desculpar e, felizmente, ele entendeu perfeitamente a minha situação e de "p" de "%&%$", ele ficou é "preocupado" comigo. Me encheu de perguntas. Isso porque ele falava de Hamamatsu, onde segundo ele, estava tranquilo.


BLECAUTE PLANEJADO

Mas o blecaute planejado, o que eles chamam de 計画停電・KEIKAKU TEIDEN, causou um caos e um clima ainda mais tenso no ar.  Mesmo as áreas que não estavam no horário planejado para o blecaute,     o compromisso de economizar energia era maior! Escadas rolantes desligadas, painéis eletrônicos apagados, loja de conveniência à meia luz e o caos dos trens!

Felizmente voltei para casa pelo caminho inverso. Andei até a estação mais próxima, tomei o trem, ônibus e estou em casa. Deu tempo até de passar no mercado. O mercado como está? Bom, parece normal, exceto pelo fato das prateleiras de pão estarem completamente vazias. Também não achei velas. Mas o resto tinha! Frutas (caras como sempre!), legumes, verduras, marmitas prontas, leite, sucos etc. Tudo normal!


Mas o clima é de ansiedade misturada com uma dose de medo e receio do que está por vir,  junto com a insegurança do que fazer e uma pitada de preocupação com terremotos e explosões na usina nuclear etc. Isso tudo aliado a rumores e informações desencontradas que têm deixado muita gente desesperada. Eu, como falei, não estou desesperado, mas não estou tranquilo. Só não quero sofrer antecipadamente. 

Tenho usado muito o Facebook que tem sido uma forma de conversar, distrair, obter informações, trocar informações, enfim, acalmar de alguma forma. Fora isso, estou vendo TV, lendo os jornais daqui e do Brasil e economizando luz. Agora, estou só com a luz do monitor...

Bom, acho que deu para se ter uma ideia de como, eu estou. Ainda há muito o que dizer, mas até organizar as ideias está difícil. Agradeço mais uma vez e nunca será suficiente, as mensagens que tenho recebido. São como injeções de ânimo! Quanto mais doses, melhor! 

Obrigado. 

5 comentários:

  1. Nossa, Caruso! Estamos ainda chocados e em luto por todos os desastres que aconteceram e ainda mais com as emergências nas usinas nucleares...
    Os pais do meu marido, que moram em Mihomura, em Ibaraki-ken, estão bem.
    Rezo pra que o pior tenha passado e que todos aí possam reconstruir suas vidas em breve. Os próximos dias serão difíceis, mas é preciso manter a fé!
    Mantenha seu ânimo, sim! Estamos por aqui numa corrente positiva pro Japão!
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi, meu nome é Carla e gosto muito do seu blog, adorei a materia que passou na tv sobre tokyo que o blog Meu Japão indicou, outro blog que gosto muito. Nos brasileiros que gostamos da cultura japonesa e admiramos este povo tão complexo estamos aqui no Brasil torcendo que este momento tão doloroso para o povo japones, e para todas as pessoas que moram ai, consiga ser superado o mais rapído possível e que tenham como amenizar o maximo possivel as situações dificies depois desta tragedia, nossas orações estão com voceês. Força "Muito Japão"!

    ResponderExcluir
  3. Que aventura! É bom ter esses relatos p sabermos com está o Japão fora dos noticiários. Qq coisa vc já sabe, estamos por aqui...

    ResponderExcluir
  4. oi Caruso,
    Gostei do seu relato aqui.
    Eu sei que não é fácil estar passando por tremores, eu brinco que já estou me acostumando.
    Mas, no fundo sinto muita preocupação.
    A gente que não entende quase nada de nihongô, sempre tá aqui procurando por informação, queria muito saber o que estão falando, mas ainda bem que tem você, um querido sensei!
    Continue postando mais notícias, a gente agradece!

    ResponderExcluir
  5. Força, coragem, determinação, vontade e vitória! Desejo td isso para vc meu irmão brasileiro! Rezo pela paz no Japão e pelo alento de todos que estão lutando para que a vida vença! Um abraço fraternal para vc!

    P.S. A piada da vez aqui é que o Japão vai reconstruir td que foi destruído antes do Brasil fazer um estádio para a Copa do Mundo...rsrs!

    Se bem que eu acho que isso é a pura verdade! Fique com Deus!

    ResponderExcluir