29/06/2011

MEU DIA NO OFTAL

Para quem gosta de um post mais com cara de diário, aí vai um! Hoje tive que faltar ao trabalho porque amanheci com os olhos vermelhos e inchados. Eu até poderia tentar ir trabalhar assim mesmo, mas fiquei preocupado que fosse conjutivite・結膜炎・けつまくえん e não gostaria de causar um mal estar entre meus colegas de trabalho e tampouco gostaria de colocá-los em risco já que se trata de uma enfermidade contagiosa. Apesar disso, sempre que penso em faltar, me dá um aperto no coração, porque sei que vou perder um dias das minhas férias remuneradas・有休・ゆうきゅう. Isso mesmo! Aqui mesmo com doença contagiosa, mesmo mal de saúde, quem falta é descontado das férias remuneradas e eu, atualmente com 6 dias de férias para tirar, ficarei com 5 a partir de amanhã! Receberei minha porção deste ano somente em setembro: 14 dias!

Mas fazer o quê? Ir ao médico e pegar atestado? Nada! Aqui não se usa isso! Até tem atestado, mas além de ser PAGO, a maioria das empresas, assim como a minha, não abona falta alguma! Mesmo assim, eu precisava ir ao oftal e lá fui eu! 

Quem me conhece, sabe que eu "adoro" os médicos daqui. Pode até ser que você que está lendo este post tenha tido a sorte de ter um médico legal, mas a maioria daqui eu tenho a impressão que não estudaram medicina. Apenas decoraram os remédios que deve se dar para cada sintoma e pronto. Muitas vezes eles não te tocam e alguns deles nem conversam com você direito porque antes mesmo de você ser atendido pelo médico, você preenche um formulário com tudo que o médico deveria te perguntar olhando nos seus olhos, mas que aqui, na maioria das vezes, você mesmo deve escrever tudo em um formulário que é entregue a você na sala de espera.

NO OFTAL・がんかで

Entrei e já entreguei a mocinha da recepção a minha carteirinha do plano de saúde・保健証明書・ほけんしょうめいしょ e carteirinha da clínica・診察書・しんさつしょ.  Foi só eu entregar e ela já me pediu para aguardar: お座りになってお待ちください que em português claro seria, "Queira por favor sentar e aguardar". Elas adoram dizer isso! Aliás, não só acho que elas adoram, como elas só sabem dizer isso, porque mesmo com o consultório lotado de gente, elas falam a mesmíssima frase!! Tenho vontade de perguntar: "Sentar no colo de quem??"... mas reajo como todos os japoneses. Fico calado e espero em pé mesmo...

Sentei, peguei uma revista, não deu nem 1 minuto e já fui chamado. "Já??", pensei. Mas não. Era para fazer os exames que eles sempre fazem. Isso eu acho que é só nessa clínica. Eles fazem sempre aqueles exames do ventinho no olho e até exame de vista!!! Isso mesmo! Aquele negócio de dizer se a abertura da bolinha está para cima ou para baixo, para esquerda ou para direita...



...uma vez ou outra até vai. Mas sempre??? Será que precisa mesmo???

Depois do exame me mandaram de novo para mesma sala de espera. Peguei a mesma revista para ler e depois de ler duas páginas, me chamaram. Mas ainda não era a minha vez! Aí também temos uma coisa bem de japonês nas clínicas e consultórios. Eles adoram te transferir de uma sala de espera para outra sala de espera. Isso mesmo. Você sai de uma sala de espera para ir para outra, com menos pessoas, mas é outra sala de espera. Tem muito isso aqui! 

Finalmente fui chamado para ser atendido pelo médico. Entrei no consultório e lá estava outra características dos médicos daqui. Nunca estão sozinhos! Isso mesmo! Tem sempre uma enfermeira, ajudante, assistente, sei lá, mas sempre tem alguém junto junto. Sempre tem! Bom, sobre o médico, eu prefiro não comentar...

...só digo que ele perguntou se eu ainda tinha o colírio da última vez que fui lá, há mais de um mês e e meio. Eu disse que sim. Mesmo assim ele disse: "Como já passou mais de 1 mês, vou passar o mesmo colírio, mas um novo".  Explico: os remédios aqui, tanto colírios como remédios mesmo, são do tamanho de uma amostra grátis e mesmo que durem, eles dizem que só duram um mês e depois disso não se pode mais usar. 

Ele olhou meu olho como sempre faz - sem a menor vontade - me perguntou sobre o colírio e pronto. Não perguntou o que eu como normalmente, com o que eu trabalho, onde eu moro, não falou de compressas, nada! Só disse no final que se eu não melhorasse, que era para eu voltar lá. pronto. A consulta não durou nem 2 minutos.

Saí de lá e fui para a mesma sala de espera (a primeira, com mais gente). Esperei menos de 1 minuto e já fui chamado pela nipo-mocinha da recepção que me disse quanto eu deveria pagar. Paguei e ela foi quem me deu a receita com os remédios que eu deveria comprar. E finalizou o trabalho com a expressão que as recepcionistas sempre falam no final. お大事にどうぞ・Melhoras! 

Aliás, depois de ela falar, eu perguntei se eles abrem domingo. Ela respondeu que não e mandou depois お大事にどうぞ! Mas antes de sair eu agradeci, ao que ela me devolveu dizendo: お大事にどうぞ! (risos) Acho que elas não sab...podem falar outra coisa! Me dirigi para a porta automática e quando saí, as duas nipo-mocinhas mandaram juntas, lá de dentro: お大事にどうぞ! 

Será que eram humanas, as recepcionistas??? Eu nunca sei...

Saí de lá e logo no prédio ao lado fui comprar meus remédios. Resultado: dois colírios (iguais aos que eu tinha em casa) , uma pomada e comprimidos. Uma coisa maneirinha é que os remédios vêm cada um em um saquinho com o seu nome e a dosagem.



Fora isso, cada colírio vem com um saquinho especial para você escrever o seu nome, qtas vezes você deve usar, em qual olho deve colocar, a data, o nome da clínica e da farmácia! Enfim, todas informações importantíssimas! Este então foi meu dia de hoje, no oftalmologista no Japão!



O quê? Por que eu não vou em outro?
Porque é sempre a mesma história...

12 comentários:

  1. Adoro o seu blog! muito bom seus post´s ;)

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Caruso, que falta de respeito com o cliente. Você esta pagando pelo serviço, por isso deveria ser tratado com mais respeito.

    Depois desse seu post eu nunca mais falo mal do SUS (Sistema Unico de Saude), onde o médico me exmina e vê o que eu tenho. E já vou para o Japão preparada (daqui 2 anos), e orar muito a Deus para não adoecer só para não passar por essa humilhação e desrespeito.

    Bjokas, Caruso. Amo o seu blog, pois você me deixa a par das coisas ai do Japão, e dessa forma não vou ser pega de surpresa. XD

    ResponderExcluir
  3. Sei não Julio, você até pode achar que os médicos daí são meio "robôs", que parecem apenas ter decorado os remédios para cada sintoma, mas pelo menos não são iguais aos daqui q são simpáticos, alguns até conversão bastante, mas na hora de prescrever o remédio, aí é que o bicho pega hehehe

    Fora que o que falta aqui é uma nipo-mocinha para alegrar a vista huhuhu

    Abração cara e obrigado por mais esse post.

    ResponderExcluir
  4. Ola ,Caruso
    Ja acompanho o seu blog a algum tempo ,alias foi um dos primeiros blogs que comecei seguir.
    Mas essa e a primeira vez que estou comentando .
    E olha esses medicos daqui deixam muito a desejar mesmo .Ja passei por cada situaçao !!!
    Minha filha pequena nasceu com rinite alergica ,mas so aos tres anos, por sorte achei um medico que conssegui descobrir o problema .Antes disso passei por varios medicos e eles nao sabiam o que ela tinha e nao se esforçavam em fazer exames alguns simplismente prescreviam um xaropinho e o ultimo que passei disse que era kafunsho em pleno mes de agosto .Sei que existe algumas plantas que podem liberar os polens e causar alergias em qualquer epoca do ano ,mas eu sabia que aquilo nao era kafunsho.E recentemente minha filha teve febre alta, chegou a 42 graus e ela começou a ter convulçoes ,eu em panico corri dei um antitermico que nao resolveu nada e corri para o hospital mais proximo de casa .la me disseram que nao tinha pediatra e que nao poderiam me atender ,tive entao que viajar mais 5 kilometros ate o proximo hospital ,pra chegar la o medico nao deu muita bola ,prescreveu um remedinho e disse que era para dar bastante agua gelada e sorvete pra baixar a febre .Ve se pode? a criança com a garganta infeccionada como vou dar agua gelada e sorvete?So aquino Japao mesmo!!!

    ResponderExcluir
  5. No mínimo curioso. É bom o "post diário" para gente saber como é.

    ResponderExcluir
  6. Eu passo pela mesma situacao,quando vou no otorrino daki de aichi,as vzs a gente ate vira robo tmbm,sempre q vou sempre falo a mesma coisa sem puxar muita conversa c/o medico rsrsrs.
    Jake

    ResponderExcluir
  7. Parece que o complexo de vira -latas ainda esta muito presente nos brasileiros como se nota no comentario do Noturno! Ter um serviço ruim ou ser mal tratado em qualquer pais estrangeiro é uma Glória total! Já algumas qualidades brasileiras são minimizadas ou nem comentadas. E Quando não há defeitos procura-se o bichinho na maçã!
    Dizem que a explicação deste comportamento é o espirito de colonizado que ainda perdura!!

    Caruso, seu blog está muito bom ! E melhoras!

    ResponderExcluir
  8. Ficou muito bom post. Isso mostra que países de primeiro mundo não são perfeitos. O Japão está atrasado nesse ponto, pois a tendência do atendimento médico de hoje é haver um diálogo cada vez mais próximo entre médico e paciente para um diagnóstico adequado.
    Uma amiga japonesa me contou que houve até um caso da morte de uma mulher grávida e de seu bebê em um hospital japonês pela falta de obstetra.
    Mas apesar do atendimento dos médicos ser ruim aí no Japão, tenho quase certeza que os hospitais do SUS ainda não chegam nem aos pés dos daí.

    ResponderExcluir
  9. Mauricio,

    O SUS ultrapassa, e muito, a qualidade dos hospitais japoneses: os médicos te atendem bem, te examinam, se interessam em saber o que você tem, par dessa forma ter um melhor diagnostico. A televisão só mostra o lado ruim do SUS, não mostram que as qualidades do SUS ultapoassam, e muito, os defeitos.

    Pelo visto você não trabalha na área da saude, e nem tem, ao menos, a curiosidade de saber se o que a TV vincula é 100% verdade, e se as coisas são realmente da dimensão que ela mostra.

    É como o Gasparzinho disse: "Parece que o complexo de vira -latas ainda esta muito presente nos brasileiros...". Deixe esse complexo de vira-lata de lado, Mauricio, pois ele não faz bem para ninguem.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Eu nunca me encontrei com um médico japonês que atendeu tão rápido e frio como médico no post no Japão.
    Os médicos sempre estavam dipostos a ouvir os sintomas que eu sentia.
    Aliás, no Brasil, a situação é bem pior em alguns aspectos.
    Além de ter que ir a vários lugares como no post,precisa esperar há muito tempo para ser atendido.
    Eu concordaria com essa observação sobre mesma fala dos enfermeiros e funcionários da clínica.
    Realmente elas não parecem humanas.
    Só que eu nunca ouvi falar Estima-se melhoras ou algo parecido das enfermeiras e dos médicos aqui no Brasil.
    Dizer mesma frase sem emoção e dizer nada...
    Nenhum dos dois é bom na minha opinião.
    ;)

    ResponderExcluir
  11. Pelo o que Eu entendi do relato do Caruso , a consulta dele foi paga.
    Portanto comparar O SUs com o sistema particular japonês não me parece compatível Mauricio. E como a Miriam falou, apesar de muitos defeitos e dificuldades O Sus tem otimos profissionais e serviços prestados , mas infelizmente os acertos nao aparecem na midia! Também se não estou enganado , não foi a primeira vez que o Caruso foi ao médico no Japão e nao gostou. Acho que o Yuki Teve muita sorte no Japao e pouca no Brasil. Se há médicos brasileiros pouco interessados tambem há muitos que atendem muito bem!! Concordo com a Mirian e o Gasparzinho. Tem muito brasileiro complexado.

    ResponderExcluir
  12. Oi, eu estudo medicina aqui no Brasil, e a situação já tá caminhando pra essa lado há um bom tempo.
    Aqui muita gente parece que passa a faculdade só decorando, dai sai dela assim como vc falou: decorou o remedio tal para o sintoma tal e coisas do gênero. Daí dá essas barbaridades médicas que vemos na TV! Sem contar que o nosso ensino médico já está defasado, o que prejudica mais ainda a situação...

    Pelo menos aqui tem a história de "falta justificada" para o trabalho, você não pagar atestado e ter médico grátis... que em alguns casos, é melhor que o particular.

    Um gde abraço!
    ;)

    ResponderExcluir