10/11/2015

ENTREVISTA EXCLUSIVA!独占インタビュー!

O Muito Japão traz hoje uma Entrevista Exclusiva com ninguém mais ninguém menos do que Julio Cesar Caruso! Sim, eu mesmo! Esta foi a maneira que encontrei para compartilhar com vocês leitores, a última - no sentido de mais recente - viagem que fiz ao Japão. Para ser mais preciso, voltei ontem de lá! Nessa entrevista, vou compartilhar fatos e fotos de um Japão atual, recente e real! Espero que gostem!

Como foi estar no Japão depois de tantos anos?

Realmente foi uma sensação incrível, mas ao mesmo tempo, muita estranha, eu diria. Incrível porque viajar para outro país já é incrível, ainda mais quando se trata de uma país que você enxerga como sua segunda casa. Mas eu diria estranho porque, ao andar pelas ruas, ir ao supermercado, farmácia, lojas de conveniências, era como se eu nunca tivesse saído de lá. A sensação que eu tinha era como se os dois anos que já estou no Brasil, tivessem sido um mero sonho e, vou confessar, por frações de segundos, cheguei a me cogitar se de fato eu tinha saído do Japão depois de viver 11 anos e ter estado 2 anos no Brasil...rs

Notou algo de diferente dos anos em que morou?

Sim. O que eu destacaria seria a grande quantidade de chineses pelas ruas do Japão, digo, de Tóquio! Nunca vi tantos chineses no Japão e o que mais me impressionou foi a recepção dos japoneses. Sempre dizem que os dois não se dão muito bem, mas acho que como diria minha mãe, "quando o dinheiro fala, a verdade se cala" , os chineses estão em grande número no país e comprando, o que significa uma grande contribuição para a economia japonesa. Em alguns pontos turísticos e lojas, até os atendentes falam mandarim! Vi que tinha japonês que falava mandarim fluente e também tinha muito chinês trabalhando mesmo, para atender seus compatriotas. Lembro que fui em uma loja de eletro-eletrônicos e havia muitos chineses comprando e quando fui pagar, comentei com a mocinha do caixa que depois de dar uma risadinha, me confessou: "eu também sou chinesa!". Mas é realmente impressionante. Fora que tudo nesses lugares está escrito em japonês, inglês, chinês e coreano! Até no Mac Donalds tem cardápio em chinês! Lembrei também que fui na imigração resolver um problema de visto e lá havia senhoras japonesas, senhoras mesmo, bem estilo nipo-Dona Bentas atendendo em inglês e mandarim!!! Aquilo foi o máximo!



O que mais te impressionou desta vez?

A quantidade de estabelecimentos comerciais com tax free, ou seja, sem o imposto de consumo que normalmente é cobrado no Japão. Não é nada, não é nada, mas são 8% a menos no valor do produto que todo turista, com passaporte e visto de turista pode aproveitar. E olha que não é só loja de suvenir não! Tem essa loja de eletro-eletrônicos que eu falei e até farmácia com tax free! Tem cartaz por todo lado! Claro, escrito em inglês e chinês, principalmente!

O que mais curtiu?

Acho que foi poder matar saudade, não só de velhos amigos, japoneses e brasileiros que fazem parte da minha vida no Japão, mas também de lugares, comidas, besteiras...rsrs...

Como assim?

Marquei uns encontros um dia sim e outro também. Sempre arrumava um jeito de almoçar com um e jantar com outro. Era muito pouco tempo e eu não tinha tempo o suficiente para encontrar com todos, claro, mas queria poder ver, conversar, por os assuntos em dia. Claro que falando assim parece que não estou na era do facebook etc, mas eu sou do tipo que acha que é diferente, você conversar em um chat e abraçar, rir junto, contar as novidades olhando cara a cara, olho no olho...

Encontrei a Karina do blog Meu Japão!

Sobre comida, claro, eu fui no supermercado para fazer o que eu chamaria de "compras com a vovó"! Fui mesmo para comprar os pães que eu gostava de comer, as bebidas, os chocolates, as marmitas que vendem no supermercado etc etc...


O que mais fez de bom?

Fiz várias coisas. Mas acho que destacaria duas coisas maneiras. Uma foi visitar Kobe que é a cidade-natal de uma grande amiga japonesa minha que já conheço há mais de 15 anos e eu nunca havia estado lá com ela e foi muito maneiro porque apesar de ela morar no Brasil, ela estava no Japão também então combinamos de finalmente em nossas vidas, passearmos juntos por Kobe! 


Foi maneiríssimo porque além de eu só ter estado em Kobe um dia apenas de passagem, desta vez eu consegui passear, conhecer um pouco da cidade e rir muito com ela junto! Foi maneiro! Conheci sua família também, foi muito legal! 

Outra coisa foi dar aula de português! Isso mesmo! Visitei dois lugares onde eu costumava ensinar português para japoneses e em um deles, foi maneiro porque pude rever muitos ex-alunos e em outro lugar, o mais maneiro ainda foi ter sido convidado a dar aula novamente! Adorei! Simplesmente foi uma experiência incrível e pude naqueles poucos momentos me recordar de como eu me divertia ensinando o meu idioma para os japoneses que adoram e curtem muito o Brasil e nossa cultura. Foi maneiro também!

Tem alguma história interessante? 

Olha, história acho que se eu parar para pensar e contar aqui, este post vai triplicar, mas uma coisa que eu tive que rir e que teve todo um significado especial, no sentido ruim, foi logo quando cheguei no aeroporto de Narita. Presenciei algo que me fez lembrar de como é o Japão e como são os japoneses. Claro, todo mundo conhece a hospitalidade, a educação e o perfeito atendimento dos japoneses. Mas o que pouca gente conhece é o lado robótico, sem flexibilidade, o que os próprios japoneses chamam de "manyuaru" ou seja, agir conforme um manual pré-estabelecido sem mudar uma vírgula conforme a situação. Mas enfim, quando fui trocar dinheiro, dei uma única nota de 100 dólares para a mulher do balcão de câmbio. Você acredita que ela pegou aquela uma única nota que eu dei e colocou na máquina de contar notas!! Eu achei aquilo tão engraçado e tão "manyuaru", ou seja, alguém disse que a ela para jamais contar as notas com as mãos e sempre colocar no contador e ela fez isso com a única nota que eu dei. Aquilo foi um ato simples, mas muito simbólico para quem já morou no Japão!

Teria mais alguma outra história?

Bom, como eu disse, se for parar para contar...rs. Mas lembrei de outra também bem simbólica! Eu estava em Osaka esperando o ônibus para voltar para Tóquio e, do nada, mais do que de repente, um senhor - que depois me revelou ter 79 anos - se dirigiu a mim me perguntando primeiro de onde eu era. Detalhe: em inglês!! Achei aquilo tão gracioso da parte dele, mas isso também, que conhece o Japão sabe que na região de Kansai - onde fica Osaka, Nara, Kobe etc - as pessoas são bem mais abertas, extrovertidas, bem mais comunicativas, mesmo em se tratando de um desconhecido! O que eu particularmente adorei. Porque em Tóquio, você pode andar um dia inteiro sozinho sem falar com ninguém e ninguém vai se dirigir a você. Mas em Kansai é diferente  e este senhor comprovou. Ficamos conversando até o ônibus dele chegar. Tudo bem que no meio do caminho ele perguntou se eu falava japonês e apesar de eu ter dito que sim, ele continuou no inglês, o que também achei muito típico do Japão! O japonês sabe que você fala japonês, sabe que você não é nativo de um país que fala inglês mas ele olha para a sua cara de gringo e tenta ao máximo se comunicar em inglês mesmo...rs.

Posso contar outra história muito marcante para mim também...?

Eu fui a Awaji-shima, ou Ilha de Awaji, onde, simplesmente, eu fiz intercâmbio e fiquei em casa de família quando estive no Japão ainda como estudante pela primeira vez em 1997. Fui visitar minha "host family", a família japonesa que me hospedou na casa deles. Preciso dizer mais?! Foi lindo! Claro que eu já havia me encontrado com eles enquanto eu vivia no Japão, mas como fica na província de Hyogo, não era exatamente perto de onde eu morava, em Tóquio e por isso, eu não ia com muita frequência e, agora, somados os 2 anos em que estou no Brasil, eu já estava com muita saudade deles!  Só para resumir, as criancinhas que estava na casa quando eu morei com eles, agora um, que na época tinha 5 anos, é professor de academia em Roppongi, Tóquio, e a menininha que tinha 7 aninhos, agora é tia de creche em Awaji mesmo. Me encontrei com os dois e foi maneiríssimo!!


Deu vontade de ficar?

Achei que não iriam me perguntar isso...rsrs. Mas, para ser sincero, sim, deu, claro! Foram 11 anos da minha vida no Japão. O Japão como qualquer outro país do mundo tem seus defeitos. Quem nunca foi, ou melhor, quem nunca morou no Japão, acha que não tem. Quem também só foi a passeio, foi ao Monte Fuji, a Roppongi dançar, viu a Torre de Tóquio, fez compras em Akihabara etc etc também acha que o Japão é perfeito. Mas quem vive lá sabe que não é bem assim. Claro! Não tem arrastão, bala perdida, assalto, falta de respeito etc. Apenas os problemas são outros que só quem mora, vive o dia a dia, conhece. Mas a segurança e o atendimento ao público são duas coisas incontestáveis no Japão. E isso me atrai muito a voltar a viver no Japão! As coisas funcionam, as pessoas que atendem estão sempre prontas a ajudar, é muito fácil comer, transitar sem se preocupar com perigo de assalto a qualquer hora do dia ou da noite ou da madrugada! Eu tive que andar com minha mala sozinho pelas ruas, lá pelas tantas, sem uma alma viva e eu fui tranquilamente. Essa sensação de segurança é indescritível! Tudo me diz que em breve...sei não...mas em breve... estarei me apertando nos trens todos os dias....kkk.

Que mensagem teria para os leitores que nunca foram ao Japão?

Bom, o que tenho para dizer é o que sempre digo, na verdade. O Japão é um dos países do mundo e como tal, já sabem... Mas, acho que esse tipo de conselho só serve para quem quer morar, viver mesmo no Japão. Para quem quer ir um dia passear, a coisa é outra. 

O que eu costumo dizer, e que pode parecer meio óbvio, mas é sempre bom lembrar, é que dependendo do seu objetivo e sua vivência no país, seja ele qual for, a sua visão sobre ele, vai ser diferente. quem foi para o Japão, morou mal, trabalhou muito, sofreu preconceito dos chefes, foi discriminado por ser estrangeiro ou por ter cara de japonês e não saber falar o idioma e morreu de saudade da família porque se sentia sozinho, este provavelmente não vai amar o Japão do mesmo jeito do cara que, como eu disse na entrevista, foi passear, comprou livros, foi a um "kaitenzushi" delicioso, subiu na Tokyo Sky Tree, andou de trem-bala para conhecer Quioto, tirou fotos com alguma gueixa etc. Se você quer morar, aprenda japonês. Não é obrigação, claro, mas facilita muito a sua vida! Quem não quer morar, eu achei que agora, tem muito mais facilidade para quem não fala japonês. O Japão está bem aberto - para não dizer de pernas abertas - para turistas e com muitas facilidades. 

Outro conselho que eu sempre dou. O Japão tem sua própria cultura. E quando eu falo de cultura, muita gente pensa cultura milenar, em templo, samurai essas coisa. Isso também, mas me refiro a cultura do dia a dia que em muitos casos, não tem nada a ver com a do Brasil. Portanto, esqueça "ah porque no Brasil...". Se você for comparar tudo, vai ficar difícil viver tanto em um quanto em outro. sabendo que os dois tem pontos positivos e negativos e sabendo assimilar os positivos de cada um, tudo, tudo ficará bem mais fácil! Boa Viagem! Boa Sorte, não sei...

FOTOS! 写真!FOTOS! 写真!FOTOS! 写真!FOTOS! 写真!FOTOS! 

Parque Yoyogi, próxima da estação de Harajuku

Uma loja no cruzamento em Shibuya

Banheiro típico japonês que existe até hoje até em lugares modernos 

"Cuidado Estudantes"

Um combo que comi em Akibhabara

Famosa loja de camisinhas em Shibuya

Roppongi Hills, famoso shopping em Roppongi

Um prédio maneiríssimo de Shibuya

Ichi Maru Kyu (109), famoso prédio em Shibuya que as patricinhas adoram

Comandos de um vaso sanitário de um banheiro de um shopping

Famosíssima estádua do cachorro Hachiko que deu origem ao filme

7 comentários:

  1. Entrevista maneiríssima!!! Hehehe Parabéns ao entrevistador e ao entrevistado!!!

    ResponderExcluir
  2. Vitor Ogawa, Obrigado. Transmitirei a ambos! rs... gde abraço!

    ResponderExcluir
  3. pena que não nos encontramos... fica para a próxima! ou quando eu for ao Brasil.

    ResponderExcluir
  4. Esse cara que vc entrevistou deu um show! Convida mais vezes!!!! :)

    ResponderExcluir
  5. Conhecia autoapresentação, mas autoentrevista é novidade !! ;?) Estava em dúvida se voltaria ao Japão nas férias do ano que vem, mas com tantas fotos legais, agora é certeza que vou! Abração!

    ResponderExcluir
  6. Adorei! Deu saudades de tudo.Também ter o privilegio de ter você como guia gastronômico não é para qualquer um.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Que entrevista legal. Não sei porq mas me deu vontade de agradecer pelo blog, faz tantos anos que acompanho, sempre achei interessante ler sobre outras culturas, e seu blog sempre me entretenteu, obrigado por compartilhar um pouco de sua vida

    ResponderExcluir