23/09/2013

CADARÇO DE LED PARA CORRIDAS NOTURNAS

Essa eu li hoje no Asahi Digital ! Bom, também não curto muito publicar artigos de produtos que nem mesmo os japoneses sabem que existe, embora muitas vezes sejam publicadas coisas como se no Japão fosse a coisa mais comum. Mas esses tênis com cadarço de LED para corridas noturnas foi demais! Não. Não é comum no Japão. Apenas achei bem maneiro e acho que o mais Muito Japão dessa história é que não duvido nada que vá vender bem em um país onde o consumidor em geral adora coisas diferentes! O tênis tem cadarço de LED que acende no escuro para a segurança do corredor! Como se não bastasse, segundo a matéria sobre o produto, ao apertar o botão localizado no centro do tênis, as luzes podem piscar ou permanecerem acesas! Acho que teriam vendido bastante desse tênis no Rock in Rio, mais precisamente, para o público que foi ao show da Beyoncé...



NOVO IPHONE 5S NO JAPÃO


Quem acompanha o Muito Japão por um certo tempo, sabe que uma das premissas é não postar coisas sobre o Japão que todos verão ou viram na mídia em geral ou já estão carecas de saber ou ainda faz parte do estereótipo do país. Mas acho que mostrar como foram o início das vendas do novo iphone nas três maiores operadoras do Japão - NTT DOCOMO, Softbank e au (lê-se ei iu) - seria um vídeo interessante de mostrar. Preste bem atenção e veja quantos pontos Muito Japão você conseguirá identificar! aqui vão umas dicas...

1. A operadora NTT DOCOMO começou a vender o iphone somente AGORA! Isso porque no Japão ainda funciona como era antigamente no Brasil quando cada operadora tinha seus próprios aparelhos de celular. No Japão ainda é assim! O que quer dizer que você só pode comprar aparelhos de celular que a sua operadora vende e se você gostou do modelo da outra operadora, problema é seu. Se gostou mesmo, terá que fazer a portabilidade! Os usuários da NTT DOCOMO tiveram que esperar até agora para adquirirem um iphone porque até agora, a operadora não comercializava o produto da Apple.

2. Contagem regressiva é feita fechando a mão, dedo por dedo! Os japoneses costumam contar com os dedos da mão extamente como nós fazemos, mas a grande diferença é que eles fecham a mão dedo por dedo e começam como o polegar!

3. Aperto de mão é feito junto com a reverência! Não vejo realmente o porquê, mas é cada vez mais comum, mesmo entre japoneses vermos esse tipo de cumprimento tipicamente japonês, porém, com um toque de ocidentalização.

TERMINA AGORA DIA 26/9...

...a promoção do Mac Donalds Japan: COMPRE 1 (Mac Fish ou Double Cheeseburguer) e LEVE 2 (Mac Fish ou Double Cheeseburguer)!!


NO JAPÃO NÃO SE USA CARTÃO DE DÉBITO?!

57% dos brasileiros utilizam meios eletrônicos de pagamento em vez de dinheiro



Calma. Não vou escrever um post sobre o Brasil aqui no Muito Japão, mas precisava compartilhar com vocês leitores que achei muito interessante o fato de no Brasil estar se usando muito as máquinas que obrigam os lojistas a nos fazer a pergunta crucial de "Débito ou Crédito?". Isto porque no Japão, não há máquinas de débito e crédito. Quando eu conto isso, algumas pessoas não acreditam! Bom, talvez eu não deveria dizer que não há com tanta categoria, mas a verdade é que não se vê esse tipo de pagamento no Japão de hoje! A maioria ainda paga com dinheiro. O que não significa que não haja e-money. Cartões recarregáveis com dinheiro e até celulares igualmente recarregáveis, já existem, mas, porém, contudo, todavia e entretanto, eu arriscaria até dizer que 80% dos pagamentos em lojas e restaurantes são feitos com dinheiro vivo. Para complementar, aí vai uma reprodução de parte da matéria que li sobre pagamentos por meios eletrônicos.

MUNDO

O relatório mostra que a Bélgica é o país com maior quantia dos consumidores (93%) que realizam pagamentos por meios eletrônicos, seguida da França (92%), Canadá (90%), Reino unido (89%), Suécia (89%), Austrália (86%), Holanda (85%) e Estados Unidos (80%). Já a Indonésia (31%), Rússia (31%) e Egito (7%) acabam de iniciar o processo de substituição do uso do dinheiro vivo. Assim como o Brasil, a Polônia (41%) e a África do Sul (43%) já estão em fase de transição, e estão migrando rapidamente para o pagamento eletrônico.

WAKU WAKU JAPANESE - LIÇÃO 9

Voltamos com as aulinhas maneirinhas da professora gatinha! Hoje, "Konomi Sensei" irá ensinar como dizer EU GOSTO e NÃO GOSTO de alguma coisa! Divirtam-se!

O RIO DE JANEIRO EM ANÚNCIO DO JAPÃO!

O verão já deu adeus ao Japão este ano, mas os japoneses têm até o dia 30 de setembro para concorrer a uma passagem ao Rio de Janeiro para curtir o verão do Brasil do ano que vem! A promoção é de uma das bebidas vendidas no Japão que usa a imagem dos latinos para vender o chá, chamado de "Chá Mate do Sol", que não tem nada de chá mate como o do sul e muito menos do mate leão, mas enfim... As propagandas são sempre muito animadas e como, em geral, para os japoneses, os latinos "são tudo igual", as propagandas trazem sempre uma miscelânea de danças, roupas, eventos e rostos. Desta última, vou confessar, gostei muito de ver o carnaval da minha cidade natal representado pelo desfile das escolas de samba na Sapucaí! Fiquem agora com o comercial da promoção! Mais detalhes - inclusive com o itinerário da viagem - você encontra no site oficial da promoção. Clique AQUI para acessar! 


Vale lembrar que somente podem participar pessoas que vivem no Japão. Aliás, lendo o regulamento da promoção no site do produto, adorei um item em especial! Fora aqueles de praxe como "não podem participar funcionários ou parentes" e " não nos responsabilizamos por acidentes causados" etc etc...adorei o primeiro item publicado no regulamento que está no website - e você precisa de conexão de internet para acessar o site e o regulamento - mas a regra é clara!  "O valor referente a conexão de internet bem como a provedora são de responsabilidade do cliente". Adorei! (rs)  

06/09/2013

MORAR NO JAPÃO É...

...receber um email com propaganda com artigos para se proteger de catástrofes. 

Imagina que um dia você fez compras pelo site de uma Lojas Americanas da vida e que, por isso, periodicamente, você recebe emails com promoções de artigos em liquidação, novidades, avisos de descontos etc. Os emails trazem normalmente, fotos de eletrodomésticos, livros, DVD e máquinas fotográficas com preços atrativos e por aí vai. De repente, no mesmo tipo de email, com o mesmo "subject", você recebe um email com a mesma "cara" de "produtos da nossa loja para você consumidor" com fotos, detalhes e preços de produtos para se proteger de um terremoto.






Talvez para brasileiros que nunca viveram no Japão, este tipo de email pode causar um certo estranhamento e até mesmo um mal-estar. Mas a verdade é que no Japão essa coisa de terremoto que está por vir, entre outras catátrofes iminentes, faz parte da vida diária de quem vive no país. 

Vira e mexe, seja na mídia japonesa ou na mídia estrangeira, são publicadas matérias deste tipo, que alertam para um possível forte terremoto, matérias que falam sobre quem está e quem não está preparado com o kit terremoto (foto 3), matérias sobre produtos que são fabricados em latas e com validades extendidas por longos anos para servirem de mantimentos de emergência etc. 


Isso sem falar que crianças de creches e escolas fazem testes de simulação de terremotos, empresas fazem o mesmo teste, tanto para terromoto, quanto para evacuação em caso de incêndio ou tsunami. Há simulações de terremotos até em eventos - que eram para ser animados! 

O mais, digamos, "curioso", foi ver que até nas festas juninas com grande participação de estrangeiros e moradores locais, os bombeiros japoneses se mobilizam para explicar e fazer testes de simulação de terremoto! Em plena festa junina! É uma mistura de confraternização e intercâmbio que, no caso das festas juninas com simuladores de terremotos, deixa de ser apenas cultural e passa a ser algo como intercâmbio de vivência e conhecimento em relação à grandes catástrofes que para os japoneses já está mais do que enraizado.

FOTOS:

1. uma espécie de mochila para armazenar e transportar água
2. luz de emergência que com um blecaute se acende automaticamente
3. barras para fixar estantes para evitar que se caiam
4. kit terremoto com primeiros socorro, lanterna, mantimentos etc.

05/09/2013

ASAKUSA SAMBA: O CARNAVAL DO JAPÃO


Muita gente me pergunta se no Japão tem carnaval. A resposta é sim. Claro que não na mesma proporção que no Brasil, mas tem. O desfile de carnaval de Asakusa, em Tóquio é o mais famoso. Aliás, o desfile é realizado no Japão, nada mais nada menos do que desde 1976! Este ano, o carnaval japonês foi realizado no último final de semana, dia 31 de agosto. "Asakusa Sanba Kaanibaru". É assim que é chamado o maior evento de carnaval do Japão, da Ásia ou, como eles divulgam no site oficial do evento, "o maior carnaval do hemisfério norte". O desfile, no bairro de toquiota de Asakusa - daí o nome -,  é realizado em via pública que é bloqueada temporariamente para o evento e passa bem em frente a um dos pontos turísticos mais conhecidos do Japão, o Kaminarimon (foto).  


Como sempre, o desfile deste ano atraiu milhares de pessoas entre japoneses de diversas idades, fãs e não-fãs do Brasil, conhecedores e não-conhecedores da cultura do Brasil e estrangeiros em geral, entre residentes e turistas. Para quem não conhece o carnaval do Rio, pode até pensar que está vendo a réplica do outro lado do mundo, mas há algumas diferenças e até pontos que eu chamaria de "Muito Japão".

Lembro que quando fui assistir ao desfile pela primeira vez, eu não consegui ver muita coisa. Primeiro porque cheguei em um horário, digamos, normal, mas muita gente chega bem, mas bem mais cedo para marcar lugar. Principalmente os fotógrafos amadores que armam seus tripés, escadinhas e se posicionam de tal forma que dali não movem uma palha até o fim do desfile. Como se não bastasse a parede que eles formam, uma multidão, de pé, completa o paredão e, dependendo da hora em que você chega ao evento, a parede está tão espessa que já não é possível ver mais nada. A saída é ficar no ponto de partida ou na "área da dispersão". Esqueci de falar que apesar de o desfile passar por uma rua bloqueada exclusivamente para o evento, não é armado nenhum tipo de arquibancada, como era feito no Rio, antes da construção da Apoteose. Aliás me chamou a atenção o fato de que quando a última escola passa pela rua, um grupo de limpadores já formam quase que um bloco de limpeza instantânea, enquanto que outro grupo já passa recolhendo as grades de proteção para daqui ali uns 10, 15 minutos, no máximo, a rua já está transitável como se nada tivesse acontecido!   

No ano seguinte, fui ao evento a trabalho e por isso, pude ir do lado de dentro do paredão e bem no meio do desfile. Nem assim, achei que estava em um desfile de carnaval do Rio de Janeiro. Me lembro de haver uma "camada" a mais no paredão de gente localizada na frente dos fotógrafos. São japoneses que devem madrugar para marcar lugar para assistir ao desfile sentados na rua. Lembro também da dor de cabeça que alguns me deram, já que eu tinha que tirar fotos e alguns dos que estavam sentados se revoltavam. Tomei até uns tapas na perna ao me posicionar para uma foto. Foi sinistro. Mas acho que o fato de não ver ninguém dançando nas "arquibancadas", ver escoteiros caminhando com cara de enterro na frente de cada escola e carregando uma placa com o nome da escola de samba, talvez tenha contribuído para o carnaval de Asakusa se distanciar ainda mais do carnaval carioca. 

E se você é um daqueles que acha feio ver lutadores de sumô que não sejam orientais e mulheres ocidentais, loiras e de quimono, você talvez sentiria a mesma sensação de desconforto no desfile de Asakusa. Estranho, porque uma das coisas que os japoneses mais criticam quando vão à praia no Brasil, é que segundo eles, chama a atenção o fato de muitas brasileiras usarem biquíni apesar de não terem um tipo físico "exemplar", digamos assim. Mas parece que essa parte da cultura do Brasil, também foi explorada no carnaval de Asakusa, if you know what I mean...

As brasileiras com samba no pé e sorriso no rosto, essas sim, são a atração dos fotógrafos e das nipo-vovózinhas quando passam! Ficam todos ouriçados de repente. Isso não quer dizer que não haja japoneses que sambem muito bem. Há sim. Há os que sambam bem. Tocam pandeiro, surdo, cavaquinho etc muito bem.  A alegria, dedicação e a paixão com que alguns japoneses se engajam no desfile, essas sim, são características que lembram muito o carnaval brasileiro. E é fácil fácil identificar os que estão ali pela garra e pelo prazer de sambar, cantar, exibir seus instrumentos. Mas, não são todos. Não sei, tive a nítida impressão de que a maioria está ali pela gana de sair da realidade, de vestir uma roupa mais colorida que não veste no dia a dia, algo mais estravagante e se libertar, do modo deles, mas se libertar.

Com certeza, o melhor do evento é a paixão, o respeito e admiração que muitos japoneses têm pelo Brasil e pela cultura brasileira. É gostoso ver tanta gente se divertindo com a nossa música, as roupas do carnaval do Brasil, ver faixas em português, sentir o batidão do nosso samba e claro, ver a nossa bandeira brasileira nas mais diversas formas! E acho que é isso que move a participação de muitos brasileiros legítimos que desfilam, puxam o samba, saem na bateria e dão um brilho especial ao carnaval de Asakusa! Viva o intercâmbio cultural!

O Muito Japão entrevistou o brasileiro, carioca, Ivan de Souza Cardoso, que foi assistir ao desfile do carnaval de Asakusa pela primeira vez este ano. Vamos ver a impressão que ele teve de tudo que viu por lá e o que gostou e o que não gostou. 



Fiquem depois com um vídeo do carnaval deste ano e tire você mesmo suas próprias conclusões. 

1.   Como ficou sabendo do desfile?

Fiquei sabendo pela internet.

2.   Foi sozinho?

Fui sozinho, mas encontrei amigos lá. Alguns porque combinamos, outros por casualidade.

3.   Que local específico escolheu para assistir ao desfile?

Fiquei próximo ao ponto de partida porque do meio para o final estava
muito cheio.

4.   Conseguiu ver bem?

Consegui ver bem porque, a medida que as pessoas iam embora, avançava alguns passos até conseguir ver o desfile de frente.


5.   O que gostou e o que não gostou do evento?

Gostei, sobretudo, da organização. Apesar de ser um grande evento, o trânsito de pessoas e veículos transcorreram bem e com boa orientação dos policiais. Sobre o que não gostei, pensei sobre algum ponto negativo, mas não achei nenhum ponto específico. Nota 10 mesmo.

6.   Viu algo que considera, Muito Japão? 

Os japoneses apenas assistiam ao desfile e tiravam fotos. NINGUÉM dançava, mesmo sob o som do samba mais animado.

7.   Em que você acha que o desfile japonês lembra o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro? Por quê?

As fantasias, carros alegóricos, coreografia, animação e percursão lembram o carnaval do Brasil. As músicas, por serem ora em japonês ora em português, em alguns momentos lembravam as marchinhas & samba enredo, noutros momentos não muito.

8. Na sua opinião, porque o evento atrai tanta gente?

O carnaval brasileiro é conhecido no mundo inteiro. E como muitos japoneses gostam de música brasileira, especialmente samba e bossa nova, é natural que muitas pessoas o frequentem. Lá ouvi alguns japoneses dizerem que gostaríam de conhecer o carnaval do Brasil um dia. Mas, enquanto isso, eles vão à Asakusa mesmo.

9. Pensa em desfilar algum dia?

Sim. No Sambódromo e em Asakusa. Estou juntando energias desde agora (risos).



Vejam agora imagens do carnaval de Asakusa deste ano! No vídeo é possível ver o escoteiro, o paredão, a animação de alguns, o talento de outros, com instrumentos, por exemplo, as coreografias, as fantasias - algumas são mesmo do Brasil - etc.



02/09/2013

LEIA VOTE

Não. Não se trata de uma revista nova querendo fazer concorrência à revista VOGUE. Talvez quem consegue ler japonês já tenha matado a "pegadinha". 

Trata-se apenas de um cartaz de aviso sobre a realização de eleição para prefeito. A ideia foi justamente chamar a atenção dos, principalmente, das mais jovens para as eleições, já que o voto no Japão não é obrigatório.  

A atriz da "capa" é Mitsuki Tanimura () que, não coincidentemente, é naturla da cidade de Sakai, em Osaka, onde será realizada a votação.

O cartaz estará no interior dos trens da cidade e panfletos com a "capa" serão distribuídos aos moradores locais. Vale destacar o slogan da campanha: "Nosso Futuro, Nós Mesmos Decidimos"