31/12/2013

NHK 紅白歌合戦

 

 

Foi realizado às 19 horas E 15 minutos mais um 紅白歌合戦・Koohaku Uta Gassen. Esta foi nada mais nada menos que o ano de 64 de exibições do programa! Bom, para quem não conhece o koohaku - como é carinhosamente chamado o program - é quase que um especial do Roberto Carlos com Show da Virada versão japonesa. Roberto Carlos, primeiro, porque tem todo santo final de ano e até porque se apresenta muita gente da  mesma época do próprio Roberto Carlos. Show da Virada porque se apresentam no palco, os maiores sucessos da música do ano que está por terminar. O diferencial seria talvez o fato de os cantores serem divididos em dois grupos, um vermelho (mulheres) e branco (homens) e que ao final, os jurados, publico presente e telespectadores podem votar para eleger o melhor grupo do ano. O melhor ganhar um troféu ao final do programa. Este ano  grupo vencedor foi dos homens, o time branco!

 
Vejam abaixo a contagem de todos, absolutamente todos os votos computados e divulgados no site official do programa logo após o término da exibição na TV! Tem os votos dos jurados, dos telespectadores que votaram pelo cellular, pelo controle da TV, pelos smartphones etc.

 
É um dos show do final de ano do Japão mais esperados e mais assistidos e já é tradição no país. Eu particularmente já assistia antes mesmo de morar no Japão, quando na época, existia um programa chamado "Imagens do Japão" que reapresentava partes do show na TV brasileira. Vivendo no Japão passei a gostar ainda mais do programa. E cá entre nós, para quem fica em casa no ano novo do Japão, é realmente, sem deboche, uma das coisas mais divertidas a se fazer no último dia do ano! Pronto, falei. (rs)

É maneiro porque você pode rever os maiores sucessos do ano, com shows e palcos impecáveis e ainda acompanhar a letra da música que aparece na tela. Tem sempre algum cantor convidado, nos últimos anos creio que estão dando preferência a cantores internacionais. Suzan Boyle, Enya e Lady Gaga já se apresentaram no programa.

 

É bonito. É um show muito bem feito. É para todos os gostos, pois toca todo tipo de música do Japão, desde as mais tradicionais, passando por baladas e até rock. Sem contar todo o glamour que tem o programa. Tanto para os japoneses quanto para os cantores que se apresentam. No final do ano fica sempre aquela expectativa de quem ira se apresentar. Os japoneses aguardam a divulgação como os brasileiros aguardam ansiosos pela escalação da seleção brasileira de futebol! O curioso que o programa é tão tradicional que na "escalação" sai sempre o número de vezes que o cantor se apresentou no programa, com destaque especial aos que estão subindo no palco do "koohaku" pela primeira vez!

A tecnologia e a organização, claro, não poderiam estar de for a já que se trata de uma superprodução japonesa. Os shows, como eu falei, são realmente muito bons e muitas vezes, o espetáculo, o palco, a iluminação e os efeitos salvam a música - e vice-versa. Mas de qualquer é tudo muito bonito.

Outro diferencial acho que posso até citar o aplicativocriado especialmente para o programa! Através do aplicativo, os nipo-telespectadores fiés poderiam verificar a orgem de apresentação, a quantidade de vezes que o cantor se apresentou, além de poder votar no melhor e ainda consultar informações de programas de anos anteriores. Era possível até selecionar um alarme para cada apresentação favorite para que o seu smartphone avisasse o extato momento em que os cantores que você escolheu fossem se apresentar no palco do koohaku. Fiquem agora com a apresentação do grupo AKB48 no koohaku deste ano!


 

29/12/2013

28/12/2013

FELIZ ANO NOVO


Engraçado que depois de anos no Japão, passei a achar normal o fato de dizer FELIZ ANO NOVO de duas maneiras: uma antes da virada e outra depois da virada. Só me dou conta mesmo disso quando chega nessa época e as pessoas me perguntam como é FELIZ ANO NOVO em japonês. Aí sim me lembro que dizemos de duas maneiras diferentes, ou seja, uma antes de virar o ano e outra depois de virar o ano. 


Aliás, vale lembrar que no Japão não é normal desejar FELIZ NATAL para as pessoas na rua, no trabalho e nem mesmo em casa. Nem lojistas, nem parentes, nem amigos, ninguém. Ninguém diz FELIZ NATAL nesta época do ano. O Natal é diferente, bem diferente...


Mas FELIZ ANO NOVO sim. Claro que não chega a ser como no Brasil em que você diz isso para amigos que encontra na rua, elevador ou mesmo para desconhecidos, como muitas vezes acontece. No Japão não se faz isso. A gente deseja FELIZ ANO NOVO para colegas de trabalho, por exemplo, antes de sair para o recesso. E nesse momento, o cumprimento em japonês para FELIZ ANO NOVO é ...


良いお年をお迎えください
yoi otoshi wo omukae kudasai


Normalmente usamos até a versão mais curta, que seria...


良いお年を!
yoi otoshi wo!


De qualquer maneira, ambas são usadas antes da virada do ano. Até porque, literalmente, o cumprimento não quer dizer exatamente FELIZ ANO NOVO ao pé da letra. Trata-se de um cumprimento que poderia ser traduzido como "espero que receba um bom ano" e é por isso que se o ano velho sair e o novo já estiver valendo, a frase (meio que....rs) perde o sentido. 

Mas afinal, e depois como fica sendo o FELIZ ANO NOVO em japonês?! Simples. Digo, fica bem maior mais é fácil. Dizemos...


(新年)明けましておめでとうございます
(SHINNEN) AKEMASHITE OMEDETOU GOZAIMASU.


A frase desta vez soa mais próxima de um FELIZ ANO NOVO da vida e como um cumprimento propriamente dito, já que contém a palavra "omedetou" que pode ser traduzida como "parabéns". Mas mesmo assim não tem nada de "feliz", mas tem "ano" e "novo". É apenas o cumprimento que se dá quando "vira o ano" (toshi akeru), ou seja, seria quase que um "parabéns por ter virado o ano" ou um "parabéns pelo ano novo", algo assim.

Outra diferença é que o cumprimento é usado não somente no momento da virada. No Japão esse mesmo cumprimento é dado sempre na primeira vez em que se encontra com a pessoa, depois que o ano virou. Por exemplo, se você entra em recesso no dia 30 de dezembro, você deseja aos colegas de trabalho um "yoi otoshi wo". Quando você volta ao trabalho, normalmente no dia 4 de janeiro, você cumprimenta a todos que reencontrar com um "akemashite omdetou gozaimasu". Agora vamos supor que você tenha alguns dias de folga para queimar e só regressa ao trabalho no dia 10 de janeiro. OK. Sem problemas. Você vai continuar a usar esse mesmo cumprimento a todas as pessoas que encontrar pela primeira vez no novo ano. E não se assuste se alguém lá pelo dia 20 de janeiro olhar para você e dizer "akemashite omedetou gozaimasu". É perfeitamente aceitável se é a primeira vez que você está revendo esta pessoa depois da virada.

Outra grande diferença e eu diria até Muito Japão, é agregar ao cumprimento a frase "kotoshi mo yoroshiku onegaishimasu", que seria algo mais ou menos como "espero poder contar com você neste ano também". Isso mesmo, além de "akemashite omedetou gozaimasu" ser um cumprimento um tanto comprido, os japoneses costumam dizer tudo junto...

新年明けましておめでとうございます。今年もよろしくお願いします。
shinnen akemashite omedetou gozaimasu. kotoshimo yoroshiku onegai shimasu.

Abre parêntese, os jovens japoneses já arrumaram uma maneira de encurtar o comprimento do cumprimento (rs). É comum os jovens se cumprimentaram com a versão simplificada: "akeome kotoyoro". Pode ser que até mesmo um japonês mais conservador não entenda, mas se parar para prestar atenção, são o que os jovens fizeram foi apenas pegar as primeiras sílabas de cada palavra das frases acima. Como todo ano a combinação é sempre a mesma, fica fácil saber o que está abreviado! Mas atenção, é quase que como uma gíria e não fica bem usar para qualquer um, muito menos para uma pessoa mais velha ou superior.

Aproveito para desejar a vocês leitores, novos ou velhos companheiros seguidores do Muito Japão, um 2014 cheio de felicidades, próspero e de muitas realizações. Para você que pensa em realizar o sonho de ir ao Japão ou mesmo começar a estudar japonês, espero que este seja O ano! Feliz Ano Novo a todos!


良いお年を!

17/12/2013

FAXINA GERAL


A palavra que a gente mais ouve nessa época do ano é OOSOUJI・大掃除. Bom, exagero meu, confesso, porque há outras tantas palavras que aparecem nesta época do ano, mas OOSOUJI・大掃除 foi uma das palavras que quando ouvi, achei que não era nada de extraordinário além do significado literal de "faxinão", ou "faxina geral".

Normalmente quando a gente pensa em fazer aquela faxina caprichada, a gente pensa em fazer quando o local já está em situação de calamidade pública, o que para algumas pessoas, pode ser uma situação que se repete várias vezes ao longo do ano.

No Japão, parece que o tal "faxinão" só é lembrado no final do ano. É quase que como no Brasil a gente fala em carnaval no início do ano. As lojas fazem questão de vender produtos de limpeza, fichários, pastas ou qualquer coisa que sirva para organizar, limpar, mudar, tudo para você pegar firme a sua casa, o seu quarto, o seu escritório para poder receber o ano novo "nos trinques". 

O mais intrigante de se fazer uma faxina geral no final do ano talvez seja o fato de nós, funcionários da empresa, sermos quase que obrigados a fazer a faxina não só da nossa própria mesa, como também do andar em que trabalhamos! Isso mesmo. A notícia normalmente vem por email, como o dia e horário da faxina e quem está escalado para fazer o quê - inclusive, antes que perguntem - , a limpeza do banheiro! Tudo bem que as criancinhas na escola do Japão já aprendem esse senso de coletividade desde cedo e também limpam os banheiros da escola, mas não deixa de ser bizarro você mesmo ter de limpar a empresa onde você trabalha, organizar e tirar o pó dos armários, jogar papéis fora etc. Claro, vou confessar, a ideia, a filosofia e, principalmente o resultado são tão bons quanto. Mas que no início soa meio estranho e até contra a religião, isso eu não posso negar. Depois - como tudo no Japão - se acostuma! 

02/12/2013

FOCUS DA FORD EM OSAKA

Uma passada rápida para dizer que o blog Muito Japão ainda vive e para alertar quem não percebeu que no novo comercial do Focusa da Ford que esta sendo veiculada no Brasil atualmente, um dos cenários futurísticos que aparece no comercial é pura e simplesmente real! Trata-se de um dos pontos turísticos mais famosos de Osaka! Isso mesmo, no Japão, esse aí da foto principal! Não tinha reparado? Então reveja o comercial e fiquei atendo no segundo 0:36!



17/11/2013

COMERCIAL JAPONÊS: SAPO A BORDO

Um dos comerciais exibidos na TV japonesa foi este estrelado por Kyary Pamyu Pamyu onde ela aparece com alguns sapos conduzindo carros, foguetes etc. Mas de onde eles tiraram estes sapos? E por que estão trocando de meio de locomoção tantas vezes? Veja o comercial e logo depois matamos a charada...



Matou? Os sapos surgiram de um trocadilho mais do que manjado na língua japonesa. Basta conhecermos algumas palavras em japonês e tudo ficará mais claro!


  • 乗る・ noru ・embarcar, em carro, ônibus, barco e até bicleta, elevador etc
  • 換える・kaeru・trocar, mudar
  • 乗り換える・norikaeru・trocar de embarcação, meio de transporte e até de operadora
  • 蛙・kaeru・sapo


Pronto! Agora ficou fácil de saber porque no anúncio da operadora au (lê-se "ei iu") que faz uma campanha especial para atrair clientes de outras operadoras aparecem sapos a bordo de carros, skates e outros meios de transporte. Acrescente aí a palavra "norinori" que em japonês pode significar "empolgado" e tudo isso junto e misturado aparece no mesmo comercial! 

MIMIKAKI: a arte japonesa de tirar cera do ouvido...dos outros

Tirar cera do ouvido. Você já se imaginou permitindo que outra pessoa fizesse isso por você? Mas não estou falando da sua namorada que além de tudo gosta de espremer seus cravos e espinhas. Estou falando de alguém estranho, alguém que você nunca viu na vida. E que tal você ganhar de presente daquele seu amigo que acabou de chegar de viagem um aparato para você tirar "cera do ouvido"? Pois é, para nós brasileiros essas coisas de cera no ouvido, pessoa estranha e suvenir podem não ter nenhuma relação direta uma com a outra, mas no Japão tem!

Imagina que um cara, solitário, sai no meio da noite, passando por ruas desertas e quando avista uma pequena porta com luzes coloridas e fotos de mulheres, ele entra. Mas, em se tratando de Japão, ele pode não estar indo fazer o que você está pensando. Ele pode estar indo simplesmente...tirar cera do ouvido! Isso mesmo! Junte a solidão dos caras, umas meninas jeitosinhas, simpáticas, como uma boa lábia e que oferecem o que os japoneses chamam de "hizamakurá", aí pronto, é só o nipocarinha relaxar que a menina tira a cera do ouvido.

O quê? O que é "hizamakurá"? Explico: em japonês se escreve 膝枕 onde "hizá" ao pé da letra quer dizer "joelho" e "makurá", "travesseiro", e "hizamakurá" refere-se a posição em que uma pessoa dobra os joelhos para outra pessoa deitar com a cabeça no colo (foto). E é justamente nesta posição que os nipocarinhas ficam para as moças cavucarem seus ouvidos para tirar cera.


A brincadeira pode custar R$ 70,00 por meia hora de coleta de cera ou R$120 por 1 hora. Claro que o charme das meninas e a maciez das mãos (e se bobear da voz também) contam muito. O interessante que apesar de grande parte dos clientes ser formada por homens e apesar das portinhas em ruas escuras e meninas no cardá...digo, no quadro de funcionárias, a maioria dessas lojas fazem questão de frisar que não são bordéis. A frase muitas vezes aparece nos cartazes, anúncios e homepages, para ninguém interpretar mal.


Ah sim! A história do suvenir é que o brinquedinho que muitas vezes as pessoas confundem com enfeite de cabelo de gueixa - talvez porque muitas vezes tem mesmo um penduricalho em uma das pontas -, na verdade são para tirar cera do ouvido mesmo. A maioria desses objetos são hastes compridas feitas de bambu, plástico ou metal e com uma espécia de colherzinha em uma das pontas que serve justamente para cavucar o ouvido e coletar a cera! Este da foto abaixo é o tipo mais comum, mas é possível encontrar em lojas de suvenir nos mais variados estilos.


A faxina do ouvido, conhecida em japonês como "mimikaki"・耳掻き, e que muitas vezes é feita por outra pessoa e não você mesmo, está tão presente na cultura japonesa que até em animês é possível ver cenas de pessoas cavucando e tirando cera do ouvido de outras.


E você? Pagaria para alguém fazer a faxina no seu ouvido?

04/11/2013

MYOJO, A COMIDA "MAIS SAUDÁVEL" DO JAPÃO

Acho interessante quando muita gente pensa em comida saudável, pensa logo em comida japonesa. Principalmente os artistas de TV que no item "comida" em uma entrevista pingue-pongue, respondem quase sempre "japonesa". E a comida japonesa é realmente saudável! Muito peixe, legumes e verduras, arroz sem tempero e, de quebra, eu acrescentaria o grande consumo de chá em lugar de refrigerante. 

Mas mais interessante do que isso, sempre me intrigou o fato de o mesmo país que sedia uma das comidas mais saudáveis do mundo, é também o país que detem uma enorme variedade de macarrão instantâneo. É impressionante como tem produtos derivados do famoso "myojo" - que diga-se de passagem, todo japonês ri quando dizemos que no Brasil, "myojo" é sinônimo de macarrão instantâneo. Aqui eles são conhecidos como  "instanto raamen". É impressionante como há prateleiras e prateleiras desses produtos e como os japoneses consomem sem a menor culpa! 


Até em lojas de conveniências há quase sempre prateleiras repletas de cup noodles e myojos de vários tamanhos, sabores e inovações. É maneiro para nós que conhecemos o velho "nissin myojo" e mais recentemente os cup noodles - que aliás, no Japão consome-se até com gelo, no verão - conhecermos este universo muito mais amplo do que qualquer ocidental imagina! (Não sabia do cup noodle com gelo? Dá uma olhada AQUI!).


Eu confesso que apesar de não ser radical quanto a conservantes ou outros produtos químicos em alimentos, não sou muito fã de macarrão instantâneo e digo mais: sinto até um certo peso na consciência quando como um. Mas não o faço com frequência.  Somente mesmo em caso de "emergência", digamos. Mas quando resolvo comer, escolho sempre um dos dois que gosto muito. São eles: 
1.  一平ちゃん・IPPEI CHAN: além do macarrão ser muito gostoso, vem um saquinho de maionese que dá um gosto todo especial no yakisoba instantâneo! Veja como se prepara um legítimo "myojo" japonês!



2.  チキンラーメン・CHICKEN LAMEN: maneiro que o próprio macarrão ainda seco, já vem com um espaço, como uma espécie de minicratera no centro, para se colocar o ovo cru! Veja o detalhe na embalagem! Como brasileiro, eu prefiro comer sem caldinho, mas já comi com o caldinho e é tão gostoso quanto. 


Fiquem agora com o comercial de TV do macarrão instantâneo:


27/10/2013

APLICATIVO MUITO JAPÃO ALERTA ATÉ SOBRE ATIVIDADES VULCÂNICAS


Vira e mexe quando acesso o Yahoo Japan! vejo a propaganda deste aplicativo que, se pararmos para pensar, é Muito Japão! Trata-se de um aplicativo unica e exclusivamente para servir como alerta para casos de catástrofes! Isso mesmo! Um aplicativo, disponível para iOS e Androide que permite que você receba no seu celular informações e alertas para diversos tipos de catástrofes que vão desde terremotos, passando por aumento no nível de radiação local até atividades vulcânicas! Você também pode receber os alertas diretamente no seu PC por meio de emails!


De acordo com a explicação disponível no site, depois de baixar o app, o segundo passo é decidir 3 localidades que se quer monitorar. Na figura abaixo, podemos ver o porquê do número três. No mapa, em laranja, está sua localidade atual (現在地・げんざいち) e nos balões em rosa vemos casa da mãe (実家・じっか), sua própria casa (自宅・じたく) e empresa (会社・かいしゃ). O quer dizer que você vai receber informações de três localidades diferentes no Japão, mesmo que não seja próximo de você.

O terceiro passo é escolher sobre que tipo de catástrofe você quer saber mais informações e receber seus alertas. Temos diversas opções: terremotos, enchentes, tsunamis, blecautes, hipertermia etc.




Fonte:
http://emg.yahoo.co.jp/

17/10/2013

76% CONCORDAM COM O PRIMEIRO MINISTRO

Quem conhece bem o blog sabe que não publico muito matérias que saem nos jornais do mundo inteiro, coisas que todos sabem sobre o Japão, principalmente se for algo com um toque estereotipado, mas que se for para publicar aqui alguma, será dado a devida prioridade àquelas pouco divulgadas ou mesmo àquelas que talvez nunca saíram ou saiam na mídia no Brasil. Sobre esta do post de hoje, apenas achei interessante compartilhar com os leitores a reação do povo japonês com relação ao discurso do primeiro ministro japonês Shinzo Abe quando na ocasião da disputa pela sede das olimpíadas de 2020, disse que o problema das usinas de Fukushima estava sob controle. O jornal Asahi, um dos mais influentes no Japão, realizou uma pesquisa de opinião pública para saber o que os japoneses achavam sobre a declaração. Achei interessante ver que 76% dos entrevistados disseram que acham que "a coisa não é bem assim" ou seja, 76% da população japonesa afirma que acha que "NÃO está tudo sob controle". Apenas 11% disse "isso mesmo, (está tudo realmente sob controle)". Mesmo entre os apoiadores do premier japonês este número muda muito pouco. 71% parece concordar com a situação, enquanto que 18% não concorda. Já na principal área afetada, a região Tohoku, essa diferença é bem maior e os números passam a ser 81% contra 10%. Não é por menos, segundo o jornal The News York Times, os quase 83 mil desabrigados das áreas mais atingidas "ainda" não podem voltar para casa.


JAPONÊS・日本語

首相の原発発言「そうは思わない」76% 朝日世論調査


 朝日新聞社の全国定例世論調査(電話)では、東京電力福島第一原発の汚染水問題をめぐり、安倍晋三首相が東京五輪の招致演説で「状況はコントロールされている」と発言したことについても質問した。この発言を「その通りだ」と受け止めた人は11%にとどまり、「そうは思わない」と答えた人は76%にのぼった。安倍内閣支持層でも「その通りだ」は18%、「そうは思わない」は71%で、自民支持層でも17%対70%だった。東北地方では10%対81%と、「そうは思わない」が圧倒的多数を占めた。一方、2020年に東京五輪・パラリンピックの開催が決まったことについては「よかった」が77%で、「そうは思わない」の16%を引き離した。年代別にみると、「よかった」は50代以下では8割を超えているが、60代以上では7割に届かなかった。
LISTA DE VOCABULÁRIO・語彙一覧
  • 朝日新聞・asahi shinbun・jornal Asahi
  • 全国・zenkoku・todo o país
  • 世論調査・yoron chousa・pesquisa de opinião pública
  • 電話・denwa・telefone
  • 汚染・osen・poluição
  • 水・mizu・água
  • 問題・mondai・problema
  • 安倍晋三・abe shizo・Shizo Abe
  • 首相・shushou・primeiro ministro
  • 東京五輪・toykyou orinpikku・Olimpíadas de Tóquio
  • 招致する・shouchi suru・convidar
  • 演説・enzetsu・discurso
  • 質問・shitsumon・pergunta
  • その通りだ・sono toori da・exatamente (isso)
  • 受け止めた人・uketometa hito・os que interpretaram
  • そうは思わない・sou omowanai・"não acho"
  • 答えた・kotaeta・responderam
  • 支持する・shiji suru・apoiar
  • 東北地方・touhoku chikou・região Tohoku
  • 圧倒的多数・attoutekitasuu・maioria esmagadora
  • 一方・ippou・por outro lado
  • パラリンピック・paparinpikku・Paraolimpíadas

13/10/2013

ESPECIAL: ELES VOLTARAM !

Ir ao Japão. Para alguns pode ter um significado todo especial. Para outros, ainda não passa de um sonho a ser realizado algum dia quem sabe. Sonho este que requer decisões firmes, mudanças de planos, dinheiro e coragem muitas vezes. Mas na contramão de quem sonha em um dia ir ao Japão, estão brasileiros que, igualmente, por um motivo ou por outro, tiveram a oportunidade de não apenas pisar em solo japonês, mas também puderam morar, trabalhar  e  viver no país.

Hoje, iremos conhecer três deles. Três brasileiros corajosos que moravam no Japão e hoje vivem no Brasil, país onde nasceram, porque assim como um dia decidiram largar tudo no para viverem no Japão, agora a decisão foi de fazer o caminho inverso. Decisões, planos, dinheiro e coragem foi o que eles tiveram para mudar de vida do lado oposto do planeta.

Mas afinal, o que leva uma pessoa a deixar o Japão para morar no Brasil? Por que sair de um país de primeiro mundo, seguro e moderno para morar no Brasil novamente? Por que largar tudo no Japão, as lojas de conveniências - realmente 24 horas e realmente convenientes -, os serviços básicos e atendimento de primeira qualidade e voltar ao país onde há tanta gente que quer ir ao Japão e ainda nem sabe como? 

Estas e outras perguntas que você deve estar se fazendo neste momento, nossos convidados Andrea Sakihara, Vitor Ogawa e Priscila Ayumi, tentarão responder, ou melhor, darão eles suas próprias versões da história de cada um que os trouxeram de volta à terra natal, não de seus avós, mas desta vez, deles mesmos.


Quando esteve no Japão?

Andreia Sakihara: Estive no Japão duas vezes. A primeira foi em 2005 até 2008 e a segunda foi em 2010.

Vitor Ogawa: Estive no Japão em duas oportunidades. Entre o início de 1993 e final de 1996 e entre outubro de 2006 e meados de 2007.  

Priscila Ayumi: Em 2000 por 3 meses, em 2006 por 8 meses e entre 2007 e 2010.

Por que foi para o Japão?

Antes do Japão estive na Austrália estudando por 2 anos e com isso fiz algumas “dívidas”. Assim, resolvi ir para o Japão, procurar um trabalho e poder pagar a dívida (já estava ali do lado mesmo :) ) A intenção era de ficar no Japão por 1 ano no máximo, mas acabei ficando, ficando e voltando (risos)

Na primeira vez foi para trabalhar em uma fábrica de autopeças. Minha família estava endividada em função dos inúmeros planos econômicos que descapitalizaram o supermercado da família. Tínhamos uma dívida de US$ 700 mil dólares. Felizmente conseguimos saldá-la. Na segunda vez foi para trabalhar no jornal International Press, um jornal impresso no Japão voltado para a comunidade latina no Japão.

Em 2000 para um arubaito (trabalho temporário) de final de ano e para conhecer o Japão durante as férias da faculdade no Brasil. Em 2006, para participar de um programa de estágio da província de Ehime e depois em 2007 para trabalhar.

Que tipo de trabalho exerceu?

Das duas vezes trabalhei na mesma empresa, na área de telecomunicações. A primeira trabalhei como system planner em VoIp, era responsável pelo contato entre a empresa do Japão com o nosso desenvolvedor no Brasil. A segunda fui arubaito na área de suporte da rede interna de informática da empresa.

Eu fazia barras de proteção lateral das portas e as colunas de direção dos carros da Toyota.

Trabalhei com veículos de comunicação voltados para comunidade brasileira que vive no Japão.

O que mais te surpreendeu quando chegou ao Japão?

A educação das pessoas e como tudo funciona tão corretamente.

A limpeza das ruas. Achei tudo muito limpo em relação ao Brasil.  É impressionante a disciplina das pessoas para jogar o lixo em seus devidos lugares. Na época não se falava tanto em reciclagem ou separação de lixo no Brasil. Só depois que isso passou a ser realidade no Brasil.
O primeiro choque foi o frio, logo ao sair do aeroporto. Não achava que era possível sentir tanto frio! Depois foi a rigidez e disciplina no trabalho da fábrica e em seguida a língua “estranha”. Frequentei escolas japonesas no Brasil e em casa sempre falamos japonês e português misturado, mas eu não entendia quase nada do que me perguntavam nas lojas. Tive que “reaprender” o japonês e esquecer o “bachan-go” (a língua que minha avó falava).

O que mais gostou?

Do "customer service". Em nenhum lugar do mundo existe um atendimento tão bom e eficaz como no Japão.

Em relação à personalidade dos japoneses, gostei da educação. (Se bem que em algumas situações em que eles eram educados demais, soavam falsos).  Em relação à estética, gostei da integração do antigo e do novo no Japão. Do tradicional com a vanguarda. 

Adorei comer “comida japonesa de verdade”, a eficiência do transporte público, a limpeza das ruas, a sensação de segurança, tradições culturais mantidas nas cidades interioranas, a modernidade das grandes cidades como Tóquio, a preparação do locais turísticos para receber visitantes, etc.

 O que menos gostou?

(risos) Essa pergunta é fácil! Do calor! Eu odiava o verão do Japão, um calor infernal!!

Entre as características que menos gostei da personalidade dos japoneses foi a inflexibilidade diante de coisas triviais. Certa vez fui a um restaurante brasileiro com o meu pai e fizemos a refeição lá. Mas depois de pagarmos, um brasileiro avisou que haveria um show de samba e sugeriu que ficássemos. Resolvemos ficar e quando começou o show uma garçonete perguntou o que queríamos comer. Falamos que tínhamos acabado de comer naquele mesmo restaurante e que só iríamos assistir ao show. Ela não permitiu, porque a mesa era destinada a quem estivesse consumindo. Pedimos dois chopes, mas ela disse que não era suficiente, pois precisávamos fazer a refeição. Reforçamos que tínhamos acabado de pagar pela refeição que fizemos naquele estabelecimento. Acabamos não assistindo ao show. No quesito estética, eu acho que o planejamento gráfico de jornais, revistas e publicidade são bem poluídos e isso se extende para a disposição de produtos nas lojas e para as casas de jogos, que tocam aquelas músicas barulhentas à beça.

De saber que a imagem dos brasileiros em alguns locais do Japão não era boa, gerando preconceito de ambas as partes. Do atendimento rápido e “frio” das poucas experiências que tive em atendimentos nos hospitais japoneses.


Quando regressou ao Brasil?

Em maio de 2012.

Na primeira vez regressei em dezembro de 1996. Na segunda vez foi em meados de 2007.

Em dezembro de 2010.

"Você pode sair do Brasil,
mas o Brasil não sai de você"
Vitor Ogawa 


Foi dificil se readaptar?

Um pouco...

Se acostumar com a casa da gente é muito mais fácil e rápido. Você pode sair do Brasil, mas o Brasil não sai de você. 

Não fiquei tanto tempo assim no Japão, mas, um pouco sim... 

Por quê?

Morando no Japao por algum tempo, acabei acostumando a viver com um povo educado e organizado o que nao existe muito por aqui...Tambem tem a questao de seguranca, nao da para fazer comparacoes entre o brasil e o japao, infelizmente.

Tenho ascendência japonesa, mas nasci e fui criado no Brasil. Para mim é muito gostoso ouvir o idioma português com o sotaque brasileiro. Adoro tomar café de manhã saboreando um pão francês. Curto a boa comida caseira composta por arroz, feijão, bife e salada. Aprecio uma boa música brasileira. O clima também é muito aprazível. 

 Passado o primeiro mês de euforia, depois de matar as saudades de casa, da comida da mãe, bate uma vontade de voltar para o Japão ao perceber que ainda tem muita coisa que precisa ser melhorada no Brasil a começar pela falta de segurança, falta de regras (falta de cumprir as regras na verdade).

Por que resolveu voltar ao Brasil?

Achei que estava muito tempo no Japão, era hora de voltar. Na verdade, nunca tive vontade de ir ao Japão, acredita? A minha vida sempre esteve aqui, no Brasil. Pais, irmãs, cachorros, amigos...

Na primeira vez eu retornei para fazer um curso superior. Fiz jornalismo. Na segunda vez a minha mãe estava com um tumor na cabeça e eu fiquei cuidando dela. Infelizmente ela morreu pouco tempo depois que retornei ao Brasil.

Antes de sair do Brasil, planejei ficar somente 3 anos no Japão. Era o tempo suficiente para estudar a cultura, a língua e quem sabe juntar uma grana para viajar. Quando completei os 3 anos (e passou voando), deu vontade de ficar um pouco mais, mas pensei na família, na carreira e decidi que tinha que vir para o Brasil sem alterar os planos iniciais.

 
"Eu adoeci e já não fazia mais sentido ficar longe da família, sentia muito a falta deles..."
Andreia Sakihara




O que mais pesou na decisão de voltar ou ficar?

O que pesou mesmo foi quando eu adoeci e já não fazia mais sentido ficar longe da família, sentia muito a falta deles. Não tinha mais como lutar contra a sensação de solidão do Japão, a falta de amigos/pessoas iguais a você, afinidades...

Na primeira vez foi a questão educacional, já que era um desejo latente progredir tanto culturalmente quanto financeiramente, pois o mercado de trabalho fecha as portas para quem não possui algum tipo de qualificação. Na segunda vez, foi por amor a minha mãe.

Perdi meu avô, (com quem passei a maior parte da minha infância) quando morava no Japão. Como foi de repente, não tive tempo de voltar para me despedir. Perdi aniversários, casamentos e outros momentos importantes na vida dos meus amigos e família. E a vontade de estar ligada novamente a esses momentos também pesaram bastante.



Você acha que você mudou em algo com a ida ao Japão? Que lições aprendeu?

Sim. Aprendi a dar muito mais valor à família, aos amigos, a educação e a respeitar a privacidade alheia.

Sim, aprendi a respeitar as diferentes culturas. Temos os nossos costumes, mas isso não quer dizer que eles são os melhores. Temos uma tendência de medir tudo pela nossa régua, de criticar costumes diferentes, mas é essa diversidade cultural que torna o mundo mais interessante.

Aprendi a aceitar, respeitar e lidar melhor com as diferenças. No Brasil tendemos a viver rodeados de pessoas que pensam e agem como nós. E esse grupo nos acompanha durante anos de nossa vida. Mas no Japão acabamos convivendo com muita gente que pensa e age de acordo com outros princípios, outras crenças e ouvi-las também é importante e me fez abrir os olhos para muitas coisas.
Sente falta de algo do Japão? O quê?

Sim. Dos amigos. Alguns deles sei que será um pouco difícil encontrá-los de novo. Também sinto falta da segurança, do atendimento ao cliente, do transporte, das lojas de conveniência, da culinária variada (Asiática, Europeia, Malasiana, etc) com um preço bem acessível.

Do sistema de transporte coletivo no Japão. Muito eficiente. Aqui no Brasil tudo é muito ruim nesse aspecto. Desde as informações, à comercialização dos bilhetes, o conforto dos coletivos e a lotação, que está sempre cheia.

Com certeza dos amigos que fiz lá. Também de pequenas coisas do dia a dia. Todos os dias me lembro de algo que sinto falta e que tinha acesso no Japão. Desde um bom lamen aos passeios para ver as árvores cheias de sakura.

Se pudesse escolher algo para ser importado do Japão para o Brasil, o que escolheria?

Restaurantes de shabu-shabu e yakiniku, as vending machines (máquinas automáticas de vendas), nikuman (apesar de ser chines...) e sem dúvida nenhuma, UMESHU

Seria o transporte coletivo japonês. Mas tirando isso, gostaria muito do sistema de tratamento do lixo japonês. Já fiz reportagens sobre os lixões aqui no Brasil e é um absurdo o que fazem aqui, aterrando tudo. 

Chocolate, sorvetes, quase todos os doces de lá e jidou hanbaiki (máquinas de vendas automáticas de bebidas, etc).


O que acha que o Brasil deveria aprender com o Japão?

A respeitar a privacidade do próximo. Dar mais valor a educação e cultura. Encarar as coisas mais profissionalmente. No Brasil tenho a impressão que tudo é tão amador.

A respeitar mais o dinheiro público. Em todas as esferas.

O comprometimento com que se propõem a cumprir os objetivos. Assim o Japão conseguiu reconstruir cidades totalmente devastadas por desastres naturais, traçam planos e os cumprem. Também o respeito pelo próximo, o valor da educação para o país.

O que acha que o Japão deveria aprender com o Brasil?

Deveriam ser mais flexíveis e extrovertidos. Encarar a vida sem muita rigidez e com um pouco mais de malícia.

A se divertir sem gastar dinheiro. A maioria dos passatempos no Japão exige dinheiro.

Valorizar a relação com a família. Mais flexibilidade na forma com que lidam com falhas, jogo de cintura (e não falo do jeitinho brasileiro). Talvez isso é que leve ao sucesso, mas também a frustração com erros me pareceu um tanto excessiva.

 
"É um lugar que DEFINITIVAMENTE vale a pena conhecer em qualquer estação do ano"
Priscila Ayumi

Que conselho daria aos leitores que sonham em um dia conhecer o Japão?

Preparem-se para ver o japonês de verdade porque os do Brasil são brasileiros! Vá com a mente aberta, pois é um mundo bem diferente. Não se esqueca de respeitar a cultura deles, porque afinal, você estará no país deles. Se não souber falar japonês, não se preocupe pois os japoneses fazem de tudo para te entender, mas se esforce para aprender. Não conviva somente com brasileiros, só assim vai realmente aprender a cultura japonesa. Além disso, o Japão é um país multicultural, existem pessoas de toda parte do mundo, é uma ótima oportunidade para conhecer outras culturas também. Não desistam desse sonho pq vale muito a pena conhecer o Japão!

Que não se prendam aos pontos turísticos tradicionais. Explorem o país, não tenham medo de experimentar comidas exóticas. Não vá para outro país para comer em McDonald´s. Que observem tudo, desde os gestuais, modo de falar, modo de andar até a maneira como todos se comportam nas escadas rolantes, nas ruas, dentro dos transportes coletivos. E abraços a todos os leitores do Muito Japão!

Que juntem dinheiro, pois fazer turismo por lá quase sempre sai caro, e façam as malas! É um lugar que DEFINITIVAMENTE vale a pena conhecer em qualquer estação do ano. Que visitem lugares “bem Japão” como Kyoto, Nara, Miyajima (Hiroshima), Hokkaido, lugares incríveis como Okinawa, lugares onde vivem muitos brasileiros como Hamamatsu (Shizuoka), Toyohashi (Aichi), façam compras em Tóquio, Yokohama, visitem casas de chás e definitivamente conversem com velhinhos e velhinhas japoneses.


12/10/2013

COMO FICA EM JAPONÊS ?

Você que não sabe japonês ou mesmo você que sabe ou está estudando, independente do seu nível, será que você nunca se fez essa pergunta ou mesmo foi perguntado por alguém ao ver uma marca famosa? Pois então fique atento! O MUITO JAPÃO vai matar a sua curiosidade e trazer periodicamente uma lista de marcas, logos, produtos mundialmente conhecidos e você vai ficar sabendo como eles são chamados no Japão e como eles são conhecidos pelos japoneses! Preparado!? Vamos lá então!


フェイスブック ・ FEISUBUKKU


ホットメール ・ HOTTOMEERU 


アウトルック ・ AUTORUKKU


ワッツアップ ・ WATTSUAPPU


ライン ・ RAIN 
(esquece "chuva". é "ra" como em "barata" e "in")



グーグル ・ GUUGURU


ヤフー ・ YAFUU



ヤフー ジャパン ・ YAFUU JAPAN (djapã)

ユーチューブ ・ YUUCHUUBU (iutchuubu)



インターネットエキスプローラー ・ INTAANETTOEKISUPUROORAA


クローム ・ KUROOMU



ファやーフォックス ・ FAYAAFOKKUSU

LINE: DESENHO ANIMADO EM JAPONÊS


Agora - finalmente! - o aplicativo LINE está chegando ao Brasil. No Japão, o aplicativo já tem quase que uma história. OK. Exagero. Mas já existe há bastante tempo! OK, desde 2011. Mas mesmo com tão pouco tempo de lançamento o número de usuários do LINE já ultrapassa a marca dos 230 milhões de usuários! Sendo que apenas 20% dos usuários são do país onde o LINE nasceu, Japão. Os demais 80% de usuários estão espalhados pelo mundo. Os maiores usuários são tailandeses, chineses e espanhóis. O LINE cresce cada vez mais! Isso, sem falar nos apps derivados que também estão se multiplicando. Já existem vários aplicaticos com o "selo" LINE! LINE camera, LINE cards、LINE "Weather" e muitos outros! Só o LINE games já somam mais de 20 jogos! Eu mesmo sou usuário do app - para ligações e chat - há anos! Recentemente baixei o LINE camera e só. Mas eu lembro até de quando eu jurava que no Brasil era famoso também e quando eu pedia o LINE da pessoa para me comunicar gratuitamente e da forma que eu já estava acostumado a fazer com meus amigos do Japão, as pessoas me olhavam com uma cara de interrogação daquelas do tipo "fala em português"...(rs). Mas finalmente ele chegou ao Brasil e está até com propaganda na TV! Talvez o que muitos brasileiros não saibam "ainda" é que o LINE tem até desenho animado! SIM! Para quem estuda japonês fica aí a dica: LINE OFFLINE!

É ótimo para treinar com figuras simples, episódios curtos e um toque de humor, nipônico, mas de humor.  Além disso você vai poder ver um pouco de como é o dia a dia em uma empresa japonesa com fatos muito próximos da vida diária no Japão. Também é uma ótima oportunidade para ver mais ou menos como é a disposição das mesas em uma empresa tipicamente japonesa, as relações de trabalho, a hierarquia entre os personagens e tudo isso, traduzido na língua em que falam os personagens do próprio aplicativo LINE, já que o desenho é todo falado em japonês! A melhor parte é que muitos episódios estão disponíveis gratuitamente no youtube! Veja abaixo um dos episódios e depois você mesmo pode buscar pelos outros! 



SEPARAÇÃO NO CASAMENTO

Dia desses estava contando para alunos e colegas de trabalho que dentre as inúmeras diferenças do casamento japonês não é nem o fato de os convidados terem que levar um envelope com dinheiro para festa - que diga-se de passagem devem ser notas novas e sem marca de dobras - mas acho que para nós brassileiros é o fato de por exemplo apenas o marido ou apenas a esposa de um casal ser convidado!! Isso mesmo! Explico: se você é casado com uma japonesa e a amiga dela irá se casar, não se espante se no convite vier apenas o nome DELA! Isto é per-fei-ta-men-te aceitável no Japão! Em português claro quer dizer que mesmo você sendo casado, a amiga pode convidar SOMENTE um dos dois. Traduzindo ainda mais: você, mesmo sendo marido, casado no papel e vivendo com sua mulher, NÃO ESTÁ CONVIDADO para o casamento! Pois amigo, não adianta protestar! Todo japonês sabe que isso acontece nas melhores famílias! E nem adianta ir viu! Chegar lá você não verá seu nomezinho gravado numa plaquinha na mesa na qual já estão estabelecidos até os lugares onde cada um irá se sentar! É Japão! É Fantástic...ops, É MUITO JAPÃO

E pensar que no Brasil até um ficante vai junto...

23/09/2013

CADARÇO DE LED PARA CORRIDAS NOTURNAS

Essa eu li hoje no Asahi Digital ! Bom, também não curto muito publicar artigos de produtos que nem mesmo os japoneses sabem que existe, embora muitas vezes sejam publicadas coisas como se no Japão fosse a coisa mais comum. Mas esses tênis com cadarço de LED para corridas noturnas foi demais! Não. Não é comum no Japão. Apenas achei bem maneiro e acho que o mais Muito Japão dessa história é que não duvido nada que vá vender bem em um país onde o consumidor em geral adora coisas diferentes! O tênis tem cadarço de LED que acende no escuro para a segurança do corredor! Como se não bastasse, segundo a matéria sobre o produto, ao apertar o botão localizado no centro do tênis, as luzes podem piscar ou permanecerem acesas! Acho que teriam vendido bastante desse tênis no Rock in Rio, mais precisamente, para o público que foi ao show da Beyoncé...



NOVO IPHONE 5S NO JAPÃO


Quem acompanha o Muito Japão por um certo tempo, sabe que uma das premissas é não postar coisas sobre o Japão que todos verão ou viram na mídia em geral ou já estão carecas de saber ou ainda faz parte do estereótipo do país. Mas acho que mostrar como foram o início das vendas do novo iphone nas três maiores operadoras do Japão - NTT DOCOMO, Softbank e au (lê-se ei iu) - seria um vídeo interessante de mostrar. Preste bem atenção e veja quantos pontos Muito Japão você conseguirá identificar! aqui vão umas dicas...

1. A operadora NTT DOCOMO começou a vender o iphone somente AGORA! Isso porque no Japão ainda funciona como era antigamente no Brasil quando cada operadora tinha seus próprios aparelhos de celular. No Japão ainda é assim! O que quer dizer que você só pode comprar aparelhos de celular que a sua operadora vende e se você gostou do modelo da outra operadora, problema é seu. Se gostou mesmo, terá que fazer a portabilidade! Os usuários da NTT DOCOMO tiveram que esperar até agora para adquirirem um iphone porque até agora, a operadora não comercializava o produto da Apple.

2. Contagem regressiva é feita fechando a mão, dedo por dedo! Os japoneses costumam contar com os dedos da mão extamente como nós fazemos, mas a grande diferença é que eles fecham a mão dedo por dedo e começam como o polegar!

3. Aperto de mão é feito junto com a reverência! Não vejo realmente o porquê, mas é cada vez mais comum, mesmo entre japoneses vermos esse tipo de cumprimento tipicamente japonês, porém, com um toque de ocidentalização.